PRESS PLAY

Exibição de vídeos de performances e filmes de artistas que questionam a relação do corpo performativo, com a arquitetura e a câmara. Projetos artísticos que assentam na relação profunda entre corpo-câmara ou corpo-arquitetura, aqui focados em espaços fechados. A escolha far-se-á directamente ora do arquivo da BoCA, ora via parcerias com outras instituições.
Contamos com parceria BoCA x Tate Modern, na qual Catherine Wood (Curadora Sénior de Performance na Tate Modern) selecionou 3 performances concebidas exclusivamente para a série “BMW Tate Live: Performance Room” (2011-2015), uma série de performances transmitadas ao vivo e pensadas exclusivamente para o ciberespaço, comissionadas pela Tate. Também BoCA x Coleção Fundação Serralves irá apresentar artistas portugueses, nomeadamente os vídeos-poemas-performances de Silvestre Pestana. Todas as quintas-feiras até, pelo menos, 30 de Junho 2020.


SEMANA 9

11 JUN, 22h: Tânia Carvalho
Título: Um Saco e Uma Pedra – peça de dança para ecrã (2018)

Vamos imaginar. Há uma peça de dança. Essa peça de dança tornou-se consciente da sua existência. Tornou-se um ser. Um ser independente, capaz de tomar decisões por si mesmo, sobre si mesmo. Decidiu ir ao cinema. Pelo caminho encontrou um saco e uma pedra. Agarrou o saco, agarrou a pedra, e levou-os consigo. Talvez viesse um dia a precisar deles. Fez o seu caminho, chegou ao cinema. Mas tinha por hábito estar do lado do palco, não do espectador. E foi por isso, e por mais nada, que saltou para o ecrã…
Tânia Carvalho

Argumento e realização: Tânia Carvalho
Direção de Fotografia e Edição: Christo Roussev
Composição Musical: Diogo Alvim
Desenho de Luzes (em rodagem): Christo Roussev, Zeca Iglésias
Conceito de figurino: Tânia Carvalho
Figurinos: Aleksandar Protic
Com
Rapaz do Saco: André Santos
Rapariga da Pedra: Leonor Hipólito
Senhor de Branco e Bigode: Ramiro Guerreiro
Rapariga de Vestido Branco: Petra Van Gompel
Rapaz de Branco: Bruno Senune
Geométrico Branco: Luís Guerra
Geométrica Preta: Bruna Carvalho
Super Herói: Jácome Filipe
Rapaz de Riscas: Cláudio Vieira
Banda sonora gravada interpretada por: Ana Pereira, Ana Filipa Serrão, Joana Cipriano, Hugo Paiva, Fernando Llopis Mata
Engenheira de Som (gravação de Banda Sonora): Suse Ribeiro
Assistência (em Rodagem): Pietro Romani
Montagem e Operação de Luzes (em Rodagem): Zeca Iglésias
Maquilhador (em rodagem): André Santos
Produção de Adereço (Pedra): Leonor Hipólito
Costureiras: Ana Krkobabic, Drena Drinic, Ateliê Maria José
Edição de Texto: Bruno Duarte
Produção: Tânia Carvalho
Produtor Executivo: João Guimarães
Coprodução: Centro Cultural Vila Flor, Maria Matos Teatro Municipal, Théâtre de la Ville – Paris
Apoio Financeiro: Fundação Calouste Gulbenkian – Lisboa
Residências Artísticas: O Espaço Do Tempo, Centro Cultural Vila Flor
Agradecimentos: O Espaço Do Tempo (Rui Horta), Manuel Guerra, Escola de Música do Conservatório Nacional
Agradecimento Especial: Quentin Dusser

 

 

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco/The Boat

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    MAAT

    GRADA KILOMBA

    Esta primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba, que se estende junto ao rio por 32 metros de comprimento, na Praça do Carvão do MAAT, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Untitled (Wave)

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Antiga

    ANNE IMHOF

    “Untitled (Wave)” cria ressonância entre questões sobre o feminino, a adoração e a imaterialidade. Remete também para a história de arte, em particular o conceito de sublime, associado ao período romântico à contemplação da natureza, de paisagens inóspitas ou desoladas, que traduzem a escala de pequenez do indivíduo perante a grandeza do universo.

    +
  • Une vague joyeuse/Uma onda feliz

    03 setembro 2021
    FARO

    LUÍS LÁZARO MATOS

    “Une vague joyeuse” é um projeto de Luís Lázaro Matos cujo título advém da última cena do filme “Testamento de Orfeu” (1960) de Jean Cocteau, onde um carro descapotável percorre as curvas de uma estrada enquanto os seus passageiros gritam de alegria, indiferentes a dois polícias estacionados na berma.

    +
  • I Am the Mouth

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea

    AGNIESZKA POLSKA

    Em “I Am the Mouth”, um par de lábios vermelhos meio submerso em água turbulenta, flutua enquanto repete frases calmantes, reenquadrando artisticamente o fenómeno viral de Internet conhecido por vídeos de ASMR (Auto Sensory Meridian Response) – sons gerados por materiais banais a raspar no microfone intensificados, tom de voz sussurrante que estimulam sensações agradáveis de formigamento e arrepio na nuca.

    +
  • Plantação de 7.000 Árvores

    03 setembro 2021 — 31 dezembro 2021
    LISBOA, ALMADA, FARO

    PLANTAÇÃO DE 7.000 ÁRVORES

    “A Defesa da Natureza” é um projeto a 10 anos através do qual a BoCA propõe aliar a criação e programação artística à criação e programação dos espaços naturais. Inspirado na célebre frase de Joseph Beuys, "Todos podemos ser artistas", propomos à comunidade artística e à sociedade civil a plantação de novas criações (naturais e artísticas), que formarão uma floresta de milhares de artistas e de obras de arte.

    +
  • A Tralha

    03 setembro 2021 — 05 setembro 2021
    Jardim do Museu de Lisboa

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +
  • When All This Is Over, Let’s Meet Up! + Agents

    04 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANASTASIA SOSUNOVA

    Através de um processo de distorção e entrelaçamento de elementos que pertencem a antigas mitologias, entidades híbridas e à sociedade de vigilância, Sosunova cria formas alternativas de "folclore contemporâneo". Explora novas narrativas e formas de vida que implicam regras, éticas, códigos e acordos entre os seres vivos.

    +
  • Entre o Céu e a Terra

    04 setembro 2021 — 26 setembro 2021
    Praia da Bela Vista, Costa da Caparica (Almada)

    MÓNICA CALLE

    Em “Entre o Céu e a Terra”, Mónica Calle parte da escrita de Fiama Hasse Pais Brandão e desenvolve uma nova criação, a convite da BoCA, para um cenário natural: entre a praia e as dunas, na Costa da Caparica. Uma experiência intimista e desafiadora para 3 espectadores apenas por sessão.

    +
  • Quero ver as minhas montanhas

    05 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    LISBOA, ALMADA E FARO

    SARA BICHÃO, DIANA POLICARPO, DAYANA LUCAS, GUSTAVO SUMPTA, GUSTAVO CIRÍACO, MUSA PARADISIACA, BERRU

    No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Joseph Beuys (1921-1986), a BoCA cria o projeto “A Defesa da Natureza”, um projeto artístico colaborativo que promove novas criações artísticas e que é composto pela série "Quero ver as minhas montanhas", com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes.

    +
  • Denominação de Origem Controlada

    05 setembro 2021
    Padrão dos Descobrimentos (Lisboa)

    GUSTAVO SUMPTA

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • O Terceiro Reich

    09 setembro 2021 — 10 setembro 2021
    Museu Nacional dos Coches (Picadeiro Real)

    ROMEO CASTELLUCCI

    “O Terceiro Reich” é uma vídeo-instalação performativa baseada na representação espectral de todos os nomes. Todos os substantivos encontrados no dicionário italiano (aqui traduzidos para português) são projetados, em sequência, um a um, com uma velocidade autoritária que as esvazia do seu conteúdo e significado.

    +
  • Overlapses, Riddles & Spells

    09 setembro 2021 — 12 setembro 2021
    Centro Cultural de Belém

    ANDREIA SANTANA

    O modo como nos co-relacionamos ou como nos afetamos mutuamente, numa permanente interdependência, é um princípio que atravessa muitas das obras da artista visual Andreia Santana. “Overlapses, Riddles & Spells” é um projeto que contempla uma instalação inédita com obras de vidro e ferro, acompanhadas por duas projeções de vídeo.

    +