BoCA Summer School 2020
Workshop dirigido por CECILIA BENGOLEA (Argentina/França)
Dança


“Dança – Vídeo – Ecossistema”

Nos últimos dez anos, a prática de Cecilia Bengolea tem sido centrada em torno da escultura social na dança de rua, bem como na observação da influência de elementos naturais nas práticas físicas.
Com a experiência em torno das Danças Utópicas dos anos 30 concebidas pelo coreógrafo François Malkovsky (1889-1982), Bengolea desenvolveu peças e outros experimentos a solo ou em colaboração com François Chaignaud. “Não é uma dança livre, mas um corpo livre”, diz Malkovsky sobre a sua dança poética, feita de breves coreografias inspiradas na imaginação do ser humano em harmonia com a natureza na pós-revolução agroindustrial.
Neste workshop, Cecilia Bengolea propõe dançar e filmar dentro (Casa da Dança de Almada) e fora do estúdio (Cais do Ginjal, em frente ao rio Tejo).
Partindo do seu imenso arquivo de vídeos, gravados por todo o mundo, Bengolea partilhará a sua prática em dança e em vídeo para refletir em conjunto como uma atividade pode influenciar a outra. Os participantes experimentarão exercícios de Movimento Autêntico, a partir de danças pós-modernas, bem como um repertório dos conceitos jamaicanos de Dancehall. Com os seus smartphones em punho, entre o espaço interior e o exterior, os participantes vão poder compor em tempo real a experiência vivida durante o workshop.

Biografia
Cecilia Bengolea (Buenos Aires, 1979) traduz a sua prática de dança comunitária antropológica através de vídeo, escultura e instalação. Concebe a performance como uma forma de escultura animada que lhe permite tornar-se objeto e sujeito simultaneamente. Infundida com as energias simbólicas encontradas na natureza e nas relações empáticas, as suas composições são construídas em torno das ideias do corpo – tanto individual quanto coletivo – como meio.
Nascida em Buenos Aires, Cecilia Bengolea estudou Dança Antropológica com Eugenio Barba e cursou Filosofia e História da Arte na Universidade de Buenos Aires. Em 2001, instala-se em Paris e frequenta a formação EXERCE, em Montpellier, dirigida por Mathilde Monnier.
As suas instalações e performances foram apresentadas na Gwangju Biennial (2014), Bienal de Lyon (2015), The Tanks e Tade Modern (2015), Faena Arts Center, Buenos Aires (2015 e 2017) Fig-2 25/50 at ICA, Londres (2015), Dia Art Foundation (May 2017), Tokyo Spiral Hall, Bienal de São Paulo (2016), The Infinite Mix, Hayward Gallery London (2016), Elevation 1049, Gstaad (2017), Palais de Tokyo, Paris (2015 e 2018), Art Night, ICA London (2015), Fiorucci Art Trust, Stromboli, Dhaka Art Summit (2018), TBA21, Venice (2018), Art Basel Miami Beach (2018), E.A.T (2019), Centre Pompidou (2010 e 2016), Engadin Art Talks 2019, Desertx 2019.
Bengolea tem colaborado com François Chaignaud desde 2005. As suas peças Pâquertte (2005-2008), Sylphides (2009) ganharam o Prémio da Crítica de Paris e o Young Artist Prize na Gwangju Biennal em 2014. Criaram peças para o Ballet de Lyon (2013), Ballet de Lorraine (2014) e Pina Bausch Tanztheater Wuppertal (2015).
Colabora com regularidade com os artistas Dominique Gonzalez-Foerster, Monika Gintersdorfer e Knut Klassen, e com os artistas especializados em dancehall Damion BG Dancerz, Joan Mendy ou Erika Miyauchi. Em colaboração com o artista inglês Jeremy Deller, co-realizou o filme RhythmAssPoetry para a Bienal de Lyon (2015) e o filme Bombom’s Dream para a Bienal de São Paulo (2016).
Na BoCA, em 2017, apresentou a performance Buss Dem Head em colaboração com o DJ Nigga Fox, no Lux/Frágil, e em 2020 concebeu uma partitura escrita para a série “Homework” da BoCA Online.


A QUEM SE DIRIGE
M/16, estudantes e profissionais de dança, teatro, performance ou qualquer outro território artístico com uma básica condição física.
> O workshop cumprirá as medidas de proteção e de segurança atualmente em vigor.

INSCRIÇÕES
Pode inscrever-se até dia 14 JUL, através do preenchimento do formulário disponibilizado neste link.
As inscrições são feitas por ordem de receção.

Produção: BoCA
Parceria: Fundação GDA
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Fundação Millennium BCP, Casa da Dança de Almada
A BoCA é um projeto financiado pelo Ministério da Cultura / DG Artes

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco / The Boat

    29 setembro 2022 — 19 outubro 2022
    Somerset House, Londres

    GRADA KILOMBA

    A primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba viaja até Londres, à Somerset House.
    Composta por 140 blocos de madeira queimada, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Workshop “Fenómenos da sociedade e distância crítica e artística”

    30 setembro 2022 — 02 outubro 2022
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    ORLAN

    ORLAN é uma das mais importantes artistas francesas, autora do manifesto “A Arte Carnal”. Chocou o mundo nos anos 90 ao realizar a performance “A reencarnação da Santa Orlan”, uma série de nove cirurgias plásticas que foram transmitidas via satélite para diversos museus e galerias de arte da Europa. Dirige um workshop de três dias, pela primeira vez em Portugal.

    +
  • Coin Operated

    07 outubro 2022 — 08 outubro 2022
    Théâtre National de Chaillot, Paris

    JONAS & LANDER

    "Coin Operated" surgiu de um convite da BoCA a Jonas & Lander, para criarem uma peça para museu. O dispositivo cénico apresenta dois cavalos a motor, operados a moedas, com os dois artistas sentados. Para que algo aconteça o público tem de inserir uma moeda na ranhura dos cavalos. A performance aborda a relação económica e de poder, de conquista de território, de escravatura, da montada das classes sociais mais poderosas nas menos afortunadas.

    +
  • Cattivo

    08 dezembro 2022 — 21 dezembro 2022
    La Villette - Grand Halle, Paris

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Installation commissioned by BoCA in 2019, CATTIVO is a large-scale installation made up of hundreds of music stands designed by Cape Verdean choreographer Marlene Monteiro Freitas. Through the use of a sensorial type of stage mechanism, these objects, usually at the service of the musician and the score, become subjects with their own feelings and desires. CATTIVO explores the borders of the animal, plant and imaginary worlds.

    +
  • Trouble

    15 dezembro 2022 — 18 dezembro 2022
    La Villette, Paris

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +