PORTUGAL
Nova Criação – Intervenção artística no espaço natural
“Sobre um futuro de coexistência”

 

Quando faço um ambiente chamado Voglio vedere le mie montagne quero afirmar um arquétipo interior da ideia de montanha: as montanhas do self.
Joseph Beuys, 1979

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Joseph Beuys (1921-1986), a BoCA cria o projeto “A Defesa da Natureza”, um projeto artístico colaborativo que promove novas criações artísticas no espaço natural.
Com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, “Quero ver as minhas montanhas” conta com a participação dos artistas Sara Bichão, Diana Policarpo, Dayana Lucas, Gustavo Sumpta, Gustavo Ciríaco, Musa paradisiaca e Berru.
A premissa propõe aos artistas convidados olharem o legado de Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.
A partir de fundamentações e géneros artísticos diversos, que vão das artes plásticas às artes performativas, cada artista é convocado a conceber uma intervenção inédita a ter lugar junto ao mar, ao rio ou num espaço verde, nutrindo afinidades entre arte e natureza.
São 7 sessões únicas, durante os 7 fins de semana da bienal, distribuídas entre Lisboa, Almada e Faro.

 

Berru – “Sobre um futuro de coexistência”

O coletivo Berru desenvolve um trabalho que reflete sobre a relação íntima do ser humano com a máquina. Nesta performance, implementam um sistema que transfere propriedades acústicas de um fluído para uma estrutura metálica e cria uma nova relação entre uma entidade viva, o rio e uma ponte, um objeto inerte e imóvel. 

Uma relação que no passado era baseada num princípio utilitário e de eficácia é agora reativada num outro campo, numa dimensão sensorial e contemplativa sobre um futuro de coexistência.


Curadoria:
Delfim Sardo e Sílvia Gomes
Artistas: Sara Bichão, Diana Policarpo, Dayana Lucas, Gustavo Sumpta, Musa paradisiaca, Coletivo Berru e Gustavo Ciríaco
Produção: BoCA
Parcerias de investigação: Instituto Superior de Agronomia / Centro de Ecologia Aplicada, Faculdade de Ciências e Tecnologia / Universidade Nova CENSE, Universidade do Algarve / CENSE
Apoio: Baía do Tejo, Liga para a Protecção da Natureza
Parceiro institucional: República Portuguesa / Ministério da Cultura

 

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +