A Defesa da Natureza
Nova criação – Plantação 

 

“A Defesa da Natureza” é um projeto a 10 anos através do qual a BoCA propõe aliar a criação e programação artística à criação e programação dos espaços naturais. Ao longo de 10 anos, plantações de novas criações (naturais e artísticas), curadorias, debates e conferências em diversas geografias do território nacional, formarão uma floresta de milhares de artistas e de obras de arte. Em 2021, o projeto decorre em Lisboa, Almada e Faro e a partir de 2022 novos municípios integram este movimento que alia a arte à natureza.

Com base no projeto de Joseph Beuys “Plantação de 7.000 carvalhos” (1982), a BoCA desenha uma plantação composta por diversas espécies autóctones com um modelo que envolve a colaboração de comunidades artísticas, comunidades académicas e as populações locais. 

“Todos podemos ser artistas”, a icónica frase de Joseph Beuys é convocada para o projeto como alavanca participativa para todas as pessoas, que podem inscrever-se para plantar a sua árvore e atribuir um título à sua plantação/criação, que será registada fotograficamente e será geocalizável.

A cada planta um artista: tomando Beuys como inspiração, misturam-se as distinções. Artistas, tradicionalmente reconhecidos enquanto tal, são convidados a plantar e apadrinhar uma árvore. A arte de gerar vida, no sentido de Beuys, completa o seu círculo, e o artista – que pode ser qualquer um e assim se indistingue da pessoa comum – concretiza o seu potencial de criador num gesto ecológico por via do ato de plantar uma árvore.

Reunindo uma extensa comunidade artística nacional e internacional, a BoCA estimula um pensamento de cooperação entre arte e natureza. Cada plantação é então vista como um gesto artístico, em que a criação do objeto artístico corresponde à criação de vida, ou seja, à plantação.

 

Convidamos todos os artistas, ou seja, todos os cidadãos a participarem na plantação da sua árvore e a atribuir-lhe um título. As plantações em Lisboa, Almada e Faro decorrem entre setembro e dezembro. As inscrições decorrem a partir do mês de setembro nesta página.

 

Curadoria: John Romão
Parceria: Liga para a Proteção da Natureza
Parceiro institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura
Apoios:
Câmara Municipal de Lisboa, Câmara Municipal de Almada, Câmara Municipal de Faro

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +