ITÁLIA
Estreia Nacional – Performance-instalação
“O Terceiro Reich”

Romeo Castellucci é um dos maiores nomes do teatro europeu, um mestre na criação de imagens que se alojam na nossa memória para sempre. A sua mais recente criação, “O Terceiro Reich”, é uma vídeo-instalação performativa baseada na representação espectral de todos os nomes. Todos os substantivos encontrados no dicionário italiano (aqui traduzidos para português) são projetados, em sequência, um a um. Estes substantivos representam potencialmente todos os objetos da realidade que têm um nome.

A velocidade dessa sequência é dada pela nossa capacidade de reter, com base na nossa retina e na nossa memória, uma palavra que aparece num flash, com duração de um vigésimo de segundo. Isso restringe o nosso olhar, que logo atinge um ponto crítico onde ocorre uma fusão, pouco antes da nossa percepção perder o controle. Nesta oscilação, não é mais possível distinguir as palavras individualmente. Na situação-limite criada por esta máquina de disparar palavras, algumas deixarão um rastro no córtex visual do espectador, enquanto outras, a maioria, se perderão. O espectador, indefeso quando tratado desta forma, está sujeito à palavra humana, por uma questão de quantidade. Não o quê, mas quanto. Este furioso conjunto de substantivos não deixa espaço para escolha ou discernimento. O núcleo da linguagem retorna ao ruído branco, que leva ao caos.

O Terceiro Reich” é a imagem de uma comunicação imposta e obrigatória, cuja violência é acompanhada pela sua reivindicação de igualdade. Aqui, uma máquina de linguagem esgota esferas inteiras da realidade, pois os substantivos são todos iguais, produzidos mecanicamente em massa, como edifícios pré-fabricados em um conhecimento que não deixa espaço para escapar. Todas as pausas são abolidas, ocupadas. A pausa, ou a ausência de palavras, torna-se um campo de batalha pelas palavras e a sua agressão militar; os substantivos do dicionário, projetados na tela, são bandeiras cravadas numa terra conquistada.


A instalação inclui música de alto volume e imagens de alta frequência que podem não ser recomendadas para pessoas que sofrem de epilepsia e pessoas fotossensíveis.


Criação:
Romeo Castellucci
Som: Scott Gibbons
Coreografia: Gloria Dorliguzzo
Interpretação: Jessica D’Angelo
Criação de vídeo: Luca Mattei
Consultor IT: Alessandro Colla
Produção: Societas
Apoio: Museu Nacional dos Coches

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +