BoCA SUMMER SCHOOL

Claudia Castellucci, “Il trattamento delle onde”

Uma performance de dança ao som de sinos

“Il trattamento delle onde”, performance apresentada no contexto da BoCA Summer School 2019, é construída segundo um princípio rítmico que tem em conta os diversos momentos do dia. O ritmo é, de facto, a base desta dança e abre-se à escuta da pate negativa e ausente: o silêncio e a memória do som que se prolonga no tempo e que encontra novas batidas durante a sua dispersão.
Durante o workshop, pesquisou-se o som dos sinos e a presença dos dançarinos entre as batidas e os intervalos de ritmo. Uma dança criada como som dos sinos e executada com um pau. O som dos sinos prolonga-se numa duração que acumula várias batida e se dispõe a ser refratado e expandido pelas correntes. A consistência espectral do som funda uma capacidade de escuta que conjuga a presença e a memória (uma presença que não desaparece). A sequência de batidas que continuam a flutuar no ar gera coincidências aleatórias e rítmicas, diferentes e coexistentes. Os dançarinos tratam tudo isto como uma aprendizagem.
Neste último dia do workshop dirigido por CLAUDIA CASTELLUCCI, é feita uma apresentação pública da coreografia, com duração de 30 minutos, em três sessões únicas no claustro do Convento das Bernardas / Museu da Marioneta, em Lisboa.

Coreografia e direção: Claudia Castellucci
Ensino da coreografia: Alessandro Bedosti
Com os participantes do workshop


BIOGRAFIA

Claudia Castellucci é co-fundadora com Romeo Castellucci e com Chiara e Paolo Guidi da Societas Raffaello Sanzio (agora Societas), uma companhia de teatro que se estabeleceu internacionalmente pela reinvenção radical da linguagem cénica desde os anos 80. Predominantemente dedicada à escrita e ao ensino, Claudia Castellucci é a fundadora de várias experiências escolásticas. Inaugura a Scuola Tetrica della Discesa no final dos anos 80, que propõe um diálogo entre filosofia e prática teatral. A Escola Stoa, relativa ao movimento rítmico, continua e teve variações em Calla (2010) e Bordéus (2011). Desde 2015, continua a sua ideia original de uma escola concebida como obra de arte, com Mòra, dando origem a criações como “Verso la specie” e “Fisica dell’aspra comunione”(2018): a primeira é a dança que toma como modelo a métrica de poesia grega arcaica, apresentada na Bienal de Veneza; a segunda segue um padrão de movimentos derivados do “Catálogo dos Pássaros” de Olivier Messiaen. Em 2012 dedicou-se à composição e interpretação do monólogo “Il regno profondo”, uma longa confissão dividida em várias partes: “La vita delle vite”, “Il dialogo degli schiavi” e, a última, “Perché sei qui?”, com Chiara Guidi. Em 2014 fundou Cònia: uma escola de versão de técnica de representação, com a colaboração de vários professores; e em 2016 inaugurou Catalysi: uma residência escolar destinada à produção e estudos teóricos contextuais. Entre as publicações monográficas: “Uovo di bocca. Escreveu e publicou diversos livrsos, entre os quais “Les Pèlerins de la matière, théorie et praxis du théâtre”, Les Solitaires Intempestifs, 2001; e “The Theatre of Socìetas Raffaello Sanzio”, Routledge, 2007.

Produção: BoCA
Parceria: Fundação GDA
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Museu da Marioneta, Estúdios Victor Córdon

> Assistam à entrevista que fizemos a Claudia Castellucci sobre o trabalho desenvolvido no workshop

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco / The Boat

    29 setembro 2022 — 19 outubro 2022
    Somerset House, Londres

    GRADA KILOMBA

    A primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba viaja até Londres, à Somerset House.
    Composta por 140 blocos de madeira queimada, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Workshop “Fenómenos da sociedade e distância crítica e artística”

    30 setembro 2022 — 02 outubro 2022
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    ORLAN

    ORLAN é uma das mais importantes artistas francesas, autora do manifesto “A Arte Carnal”. Chocou o mundo nos anos 90 ao realizar a performance “A reencarnação da Santa Orlan”, uma série de nove cirurgias plásticas que foram transmitidas via satélite para diversos museus e galerias de arte da Europa. Dirige um workshop de três dias, pela primeira vez em Portugal.

    +
  • Coin Operated

    07 outubro 2022 — 08 outubro 2022
    Théâtre National de Chaillot, Paris

    JONAS & LANDER

    "Coin Operated" surgiu de um convite da BoCA a Jonas & Lander, para criarem uma peça para museu. O dispositivo cénico apresenta dois cavalos a motor, operados a moedas, com os dois artistas sentados. Para que algo aconteça o público tem de inserir uma moeda na ranhura dos cavalos. A performance aborda a relação económica e de poder, de conquista de território, de escravatura, da montada das classes sociais mais poderosas nas menos afortunadas.

    +
  • Cattivo

    08 dezembro 2022 — 21 dezembro 2022
    La Villette - Grand Halle, Paris

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Installation commissioned by BoCA in 2019, CATTIVO is a large-scale installation made up of hundreds of music stands designed by Cape Verdean choreographer Marlene Monteiro Freitas. Through the use of a sensorial type of stage mechanism, these objects, usually at the service of the musician and the score, become subjects with their own feelings and desires. CATTIVO explores the borders of the animal, plant and imaginary worlds.

    +
  • Trouble

    15 dezembro 2022 — 18 dezembro 2022
    La Villette, Paris

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +