ECOTEMPORÂNEOS

Este é o projeto que tem juntado personalidades diferentes a pensar os espaços verdes da cidade de Lisboa em relação com a literatura. Agora, em formato online, cada convidado partilha uma fotografia sua numa paisagem natural, relacionando-a com um livro que tenha em casa. Estabelece-se um diálogo entre o interior e o exterior, entre o corpo (confinado na habitação e na fotografia), a natureza e a imaginação. Uma conversa informal via live do instagram na qual a comunidade online é chamada a participar. Todos os domingos até, pelo menos, 30 de Junho 2020.

 

SEMANA 9

Convidado: Capicua (nome artístico de Ana Matos Fernandes, rapper portuguesa)
Fotografia: Marco de Canaveses, 2017
Livro: “O velho que lia romances de amor” (1989) de Luís Sepúlveda, da Porto Editora.

Capicua nasce no Porto nos anos 80, descobre a cultura Hip Hop nos anos 90 (primeiro pelo Grafitti e depois pela música), passando de mera ouvinte a aprendiz de Rapper nos anos 00. Socióloga de formação, considera-se uma rapper militante e é conhecida pela sua escrita exímia, emotiva e politicamente engajada. Com uma vasta discografia, conta já com um percurso sólido no panorama da música lusófona: duas mixtapes (Capicua Goes Preemo – 2008 e Capicua Goes West – 2013), dois álbuns em nome próprio e um disco de remisturas (Capicua – 2012, Sereia Louca – 2014 e Medusa – 2015), um disco-livro para crianças em parceria com Pedro Geraldes (Mão Verde – 2016) e um disco luso-brasileiro partilhado com Emicida, Rael e Valete (Lingua Franca – 2017). Na última década, tem somado intensos e participados concertos, conquistando um público muito diverso e o reconhecimento da crítica, contribuindo sempre para a destruição dos estigmas associados ao Rap no nosso país. Apologista da espotaneidade e cultivando uma clara atitude feminista, tem acumulado colaborações com vários artistas (de Sérgio Godinho a Sara Tavares), bem como diversas conferências, workshops e projetos sociais (como o OUPA, em que trabalhou durante quatro anos consecutivos a convite da Câmara Municipal do Porto). De assinalar é também o seu aclamado percurso como letrista (para intérpretes como Gisela João, Aline Frazão, Ana Bacalhau, Marco Rodrigues ou Camané) e a sua actividade como cronista na Revista Visão. Comandante da Guerrilha Cor-de-Rosa, muito se tem dedicado a estimular outras mulheres a construir carreiras longevas e activas no panorama Hip Hop nacional, provando consistentemente que MC quer dizer Maria Capaz!


Apoio à sessão:

 

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco / The Boat

    29 setembro 2022 — 19 outubro 2022
    Somerset House, Londres

    GRADA KILOMBA

    A primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba viaja até Londres, à Somerset House.
    Composta por 140 blocos de madeira queimada, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Workshop “Fenómenos da sociedade e distância crítica e artística”

    30 setembro 2022 — 02 outubro 2022
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    ORLAN

    ORLAN é uma das mais importantes artistas francesas, autora do manifesto “A Arte Carnal”. Chocou o mundo nos anos 90 ao realizar a performance “A reencarnação da Santa Orlan”, uma série de nove cirurgias plásticas que foram transmitidas via satélite para diversos museus e galerias de arte da Europa. Dirige um workshop de três dias, pela primeira vez em Portugal.

    +
  • Coin Operated

    07 outubro 2022 — 08 outubro 2022
    Théâtre National de Chaillot, Paris

    JONAS & LANDER

    "Coin Operated" surgiu de um convite da BoCA a Jonas & Lander, para criarem uma peça para museu. O dispositivo cénico apresenta dois cavalos a motor, operados a moedas, com os dois artistas sentados. Para que algo aconteça o público tem de inserir uma moeda na ranhura dos cavalos. A performance aborda a relação económica e de poder, de conquista de território, de escravatura, da montada das classes sociais mais poderosas nas menos afortunadas.

    +
  • Cattivo

    08 dezembro 2022 — 21 dezembro 2022
    La Villette - Grand Halle, Paris

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Installation commissioned by BoCA in 2019, CATTIVO is a large-scale installation made up of hundreds of music stands designed by Cape Verdean choreographer Marlene Monteiro Freitas. Through the use of a sensorial type of stage mechanism, these objects, usually at the service of the musician and the score, become subjects with their own feelings and desires. CATTIVO explores the borders of the animal, plant and imaginary worlds.

    +
  • Trouble

    15 dezembro 2022 — 18 dezembro 2022
    La Villette, Paris

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +