CONVERSAS ONLINE

Conversas com diferentes convidados sobre Corpo, Ciência, Pensamento, Comunidade, Sustentabilidade, Imaginação, em relação com Covid-19, com moderação de Cláudia Galhós, Vítor Balenciano e da equipa Gerador.
As conversas são live no canal YouTube da BoCA Bienal.
Todas as quartas e sextas-feira até, pelo menos, 30 de Junho.

Todas as segundas-feiras lançamos a programação da semana no nosso website e redes sociais. Subscrevam a nossa newsletter e o nosso canal de Youtube para receberem notícias em primeira mão.

SEMANA 9

17 JUN: Miguel Moreira, 19h
Moderação: Claudia Galhós

Curso de Artes e Ofícios do Espetáculo.
Fez parte entre 1991 e 1997 do Coletivo de Teatro O Grupo, em Almada. Trabalhou em várias produções do coletivo Olho, no Espaço Ginjal. Participação em várias performances do Canibalismo Cósmico.
Colaborou com o Teatro O Bando desde 1996 – 2016.
Trabalhou com encenadores como João Brites, João Garcia Miguel, Paulo Castro, Demarcy Mota, Claudio Hochman, Manuel Wiborg, António Pires, Tiago Rodrigues, Carlos Afonso Pereira, Ana Nave, João Perry, António Olaio, João Ricardo, João Sarabando, Teatro Praga, Michael Oliveira,Susana Vidal, Tonan Quito – encenador com qual ganhou o prémio de melhor Actor,  prémios atribuídos pela SPA em  2016, pela sua interpretação em Ricardo III. Foi nomeado para os “Globos de Ouro” para o mesmo prémio.
Na dança trabalhou com Vera Mantero, Olga Roriz, Teresa Simas, Rita Judas, Ana Borralho e João Galante, Rui Horta.
Participação no Skite em 1994, trabalhos experimentais com Clara Andermatt e Alain Platel.
Como intérprete e criador apresentou espetáculos na Escócia, Inglaterra, Espanha, Itália, França, Alemanha, Colômbia, São Tomé e Principe, Dinamarca, México, Coreia do Sul,  Bélgica, Holanda, Suécia, Suiça, e em muitas cidades do País.
Foi Actor assistente do espetáculo Peregrinação na Expo 98 tendo integrado como Actor a máquina de cena do grupo alemão Titanic dirigida por Uwe Kolher.
Colaborou com o músico Pedro Carneiro e com a Orchestrutopica no espetáculo “Berio em sequência” e “Carta aberta a Pedro Carneiro”, com o músico Pedro carneiro e louis Sclavis.
No cinema trabalhou com Rodrigo Areias, Eduardo Guedes, Raquel Freire, João Botelho, Pedro Senna Nunes, Ivo Ferreira, Luís Fonseca, Paulo Rocha, João Nuno Pinto, entre outros.
Organizou vários workshops e lecionou na escola onde teve a sua formação.
Fundou a Útero Associação Cultural em 1997 onde desenvolveu a sua identidade artística. Dirigiu espetáculos como “ 1999! E o pénis voador…”, Último Verão”, “Homeless”, “Na Rua”, “Parede”, a Ópera “Orfeu Ed Eurídice”, “Duelo”, “Pele” ”Pântano” entre outros espetáculos.
Foi responsável por vários sectores de atividade na associação.
O Útero foi nomeado para os prémios de melhor coreografia 2012, prémio atribuído pela SPA, com o espetáculo “The Old King” e o mesmo espetáculo foi selecionado para a programação oficial do Festival de Avignon 2012.
Desde esse espetáculo teve uma relação estreita com Romeu Runa e os espetáculos criados pelo Útero percorreram muitos teatros em Portugal e na Europa. Miguel Moreira e Romeu Runa, foram artistas associados do 104 em Paris entre 2012-2014 e a Associação Útero é uma estrutura associada do Centro Cultural Vila Flor desde o ano 2012 – Capital Europeia da Cultura Guimarães.
Dirigiu no Teatro O Bando com Bibi Gomes “De um lado Oculto” em 1999 e “Crucificado” com João Brites em coprodução co o Útero, com o qual ganhou “O Monstro do Ano” para o melhor espetáculo de teatro.
Estreou-se na encenação em 1997 no coletivo de Teatro O Grupo com o espetáculo “As maminhas de Tirésias…nós e o Apollinaire”.Em televisão fez parte do elenco da “Roseira Brava”, “Família Galaró”, “Cidade Despida”, “Pai à Força” e teve participações pontuais em várias séries e telenovelas.

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco / The Boat

    29 setembro 2022 — 19 outubro 2022
    Somerset House, Londres

    GRADA KILOMBA

    A primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba viaja até Londres, à Somerset House.
    Composta por 140 blocos de madeira queimada, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Workshop “Fenómenos da sociedade e distância crítica e artística”

    30 setembro 2022 — 02 outubro 2022
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    ORLAN

    ORLAN é uma das mais importantes artistas francesas, autora do manifesto “A Arte Carnal”. Chocou o mundo nos anos 90 ao realizar a performance “A reencarnação da Santa Orlan”, uma série de nove cirurgias plásticas que foram transmitidas via satélite para diversos museus e galerias de arte da Europa. Dirige um workshop de três dias, pela primeira vez em Portugal.

    +
  • Coin Operated

    07 outubro 2022 — 08 outubro 2022
    Théâtre National de Chaillot, Paris

    JONAS & LANDER

    "Coin Operated" surgiu de um convite da BoCA a Jonas & Lander, para criarem uma peça para museu. O dispositivo cénico apresenta dois cavalos a motor, operados a moedas, com os dois artistas sentados. Para que algo aconteça o público tem de inserir uma moeda na ranhura dos cavalos. A performance aborda a relação económica e de poder, de conquista de território, de escravatura, da montada das classes sociais mais poderosas nas menos afortunadas.

    +
  • Cattivo

    08 dezembro 2022 — 21 dezembro 2022
    La Villette - Grand Halle, Paris

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Installation commissioned by BoCA in 2019, CATTIVO is a large-scale installation made up of hundreds of music stands designed by Cape Verdean choreographer Marlene Monteiro Freitas. Through the use of a sensorial type of stage mechanism, these objects, usually at the service of the musician and the score, become subjects with their own feelings and desires. CATTIVO explores the borders of the animal, plant and imaginary worlds.

    +
  • Trouble

    15 dezembro 2022 — 18 dezembro 2022
    La Villette, Paris

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +