Portugal | Performance-instalação | Nova criação

 

“O corpo de Vera Mantero, desenhado, instalado, coreografado, visto, vivo, suspenso” – foi assim que Alexandre Melo escreveu sobre a relação entre a escultura de ferro de Rui Chafes e o corpo que a habitava, de Vera Mantero, em 2004, a obra que representou Portugal na 26ª Bienal de Artes Visuais de São Paulo.

“Comer o Coração” consiste numa peça escultórica de ferro suspensa no ar e num corpo vivo que a habita, em vertigem, resultando de uma conceção e criação conjunta entre o escultor Rui Chafes e a coreógrafa e bailarina Vera Mantero. A peça ganhou entretanto novas configurações, tendo evoluido de uma escultura de larga escala para uma dimensão mais pequena, agora suspensa a partir de diversos pontos, como uma teia, reformulando a relação entre corpo ao vivo e corpo inerte, construindo uma nova entidade gerada pela coexistência dos dois.

A convite da BoCA, “Comer o Coração” toma agora uma nova perspetiva e um novo nome, “Comer o Coração em cena”, ao fazer migrar para o palco de um teatro a magnitude de uma obra que teve no museu a sua origem e que já viajou pelo enquadramento expositivo e natural (entre as árvores).

 

Comer o Coração em cena (2019)
Conceito original: Vera Mantero e Rui Chafes
Performance: Vera Mantero
Escultura e Desenho: Rui Chafes
Produção: O Rumo do Fumo

Comer o Coração (2004)
Conceito original: Rui Chafes e Vera Mantero
Comissário: Alexandre Melo
Vídeo: Helena Inverno
Organização e produção: Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura em colaboração com o Centro Cultural de Belém
Produção executiva: O Rumo do Fumo
O Rumo do Fumo é uma estrutura financiada por República Portuguesa – Cultura | Direção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Lisboa

M/12

 

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +