Neste workshop, os coreógrafos e bailarinos Sofia Dias & Vítor Roriz propõem aos participantes ir à procura do lugar intermédio ou de transição entre aquilo que nos é familiar e o que é nos estranho. À procura de um limite, não tanto no sentido da experiência física e emocional extremas (que também interessa a este processo), mas do momento em que um qualquer sistema não consegue dar resposta ou compensa essa falta com uma resposta deslocada.
Por isso, Sofia e Vítor têm vindo a desenvolver uma série de ferramentas de pesquisa e improvisação com premissas simples e claras, algumas apelidadas de “tarefas impossíveis”, onde o foco não é tanto a sua execução virtuosa, mas o modo como as transgredimos e distorcemos – revelando algumas das ligações íntimas que estabelecemos com as coisas. Ao longo do workshop, os coreógrafos trabalharão a relação do gesto e do movimento com a palavra e a voz: a palavra, assumida como matéria maleável, que existe para além do seu sentido; a voz, como o excesso que “extravasa” os corpos.

 

BIOGRAFIA

Sofia Dias & Vítor Roriz são uma dupla de artistas/coreógrafos a colaborar desde 2006. A natureza híbrida da sua pesquisa, associada a uma curiosidade e necessidade de experimentação, levou-os à criação de vários espetáculos, performances, faixas sonoras, vídeos, podcasts e instalações, atravessando diferentes contextos e esbatendo limites entre áreas artísticas.  Os seus espetáculos para palco, predominantemente interpretados pelos dois, convocam uma linguagem coreográfica depurada em ligação com a palavra e a voz, e foram apresentados em mais de 17 países.  Em 2011, foram consagrados com o Prix Jardin d’Europe e Aerowaves Spring Forward com o espetáculo Um gesto que não passa de uma ameaça, de 2011. Têm sido convidados a colaborar com diversos artistas, entre os quais Catarina Dias, Marco Martins, Clara Andermatt, Mark Tompkins, Felipe Hirsch, Boris Charmatz e, mais frequentemente, com Tiago Rodrigues. Lecionam pontualmente e têm vindo a organizar residências e grupos de pesquisa para artistas em diferentes contextos. Foram convidados a fazer a curadoria do PACAP 2 (2018/2019) e PACAP 6 (2023) – Programa Avançado de Criação em Artes Performativas. Entre 2023/24, são Artistas Residentes na Fundação Champalimaud.

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • BoCA Summer School: Esculpir as vozes com Niño de Elche

    15 outubro 2024 — 17 outubro 2024
    MAC/CCB – Centro Cultural de Belém

    NIÑO DE ELCHE

    Uma oficina de voz é um espaço onde se trabalham as vozes, ou seja, onde o ar e a sua alma são esculpidos. Neste workshop, o músico “ex-flamenco” Niño de Elche propõe que entendamos as vozes como vetor para uma grande variedade de identidades, mais como uma mentira facilitadora do que uma verdade pura e autêntica.

    +