PORTUGAL
Nova Criação – Teatro
“A Tralha”

 

Capicua é nome de artista, de rapper, de escritora, de uma voz feminina potente na sensibilidade e crítica à sociedade e à política. Na permanente reinvenção de si própria e na procura de formatos originais – “Mão Verde” (2015) um concerto feito em torno de lengalengas para alertar os mais novos para a natureza e os produtos naturais é apenas um exemplo – chega agora a sua estreia em teatro.

“A Tralha” é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas. Sobre as coisas em que nos afundamos, num planeta afogado em plástico e em que o que tomamos como descartável é afinal indestrutível. Sobre as coisas cujo peso é muito maior do que o que podemos carregar. Uma dissertação emocional que parte da história de um homem que fica sozinho, nos longos meses de confinamento, rodeado de matéria inerte, entulho e recordações. Um espetáculo com texto de Capicua, corpo e voz de Tiago Barbosa e algumas interferências poéticas de outros autores.

 

Texto, direção, performance: Capicua
Co-criação e interpretação: Tiago Barbosa
Música: Pedro Geraldes
Colaboração cenográfica: Maria Trabulo
Produção: BoCA
Co-produção: Teatro Viriato
Apoios: DG Artes, Fundação GDA
Residências artísticas: CRL – Central Elétrica, mala voadora
Parceria: CML / EGEAC no âmbito do Lisboa na Rua’21

“A Tralha” é uma comissão da BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +