Workshop de performance e dança
“Dentro da floresta, corpo e imaginação”


Com um formato tripartido, o workshop “Dentro da floresta, corpo e imaginação” é um laboratório de artes performativas que reúne três artistas com uma prática transdisciplinar, entre a dança, a performance e as artes visuais: Mariana Tengner Barros, Gustavo Ciríaco e Pedro Ramos.

Comprometida com questões ligadas às alterações climáticas, à ecologia e à sustentabilidade, a BoCA tem vindo a desenvolver projetos que cruzam territórios artísticos com outras áreas do conhecimento. Em 2021 iniciou “A Defesa da Natureza”, em homenagem a Joseph Beuys, que implica a plantação de árvores ao longo de 10 anos e a reflexão entre práticas artísticas e espaços naturais, encomendando projetos artísticos e educativos para os espaços verdes plantados.
Constituído por três blocos de 4h, o workshop “Dentro da floresta, corpo e imaginação” é a primeira atividade de programação para a Floresta do Monsanto, onde já plantámos árvores. Mariana Tengner Barros, Gustavo Ciríaco e Pedro Ramos propõem, a partir das suas pesquisas e linguagens artísticas performativas, explorar práticas de movimento, estados de consciência, construir narrativas em torno da paisagem e de elementos naturais ou construir protótipos cénicos e site-specific na floresta.

Pede-se aos participantes para levarem roupa e calçado confortável que se possa eventualmente sujar, caderno, caneta e água.


DESTINATÁRIOS
M/16, estudantes, profissionais e curiosos em artes performativas e artes visuais.

INSCRIÇÕES
As pessoas interessadas podem fazer a sua inscrição através do preenchimento deste formulário AQUI. As inscrições são válidas para o total dos três blocos de formação e são feitas por ordem de receção.

 

Mariana Tengner Barros

Título do laboratório: Entre a Terra e o Céu
Data e horário: 17/09 (10h-14h)

Neste primeiro workshop, a artista vai partilhar ferramentas que foi reunindo ao longo do seu percurso, desde práticas de movimento e meditação, a guiões imaginários e diferentes rituais, ferramentas que usa nos seus processos criativos, estimulando diferentes estados de consciência em relação direta com a floresta. Cada participante estabelece conexões entre as suas histórias e o “invisível”, que pertence ao ponto de vista de cada árvore, honrando a sabedoria e resiliência desses seres que fazem a ponte entre a terra e o céu.

Biografia
Coreógrafa, bailarina, performer. O seu trabalho tem sido apresentado em diversos países na Europa e América do Sul, salientando “The Trap” (2011, vencedor do Prémio do Público Jardin D’Europe, Áustria), “A Power Ballad” (2013) e “Resurrection” (2017) co-criações com o coreógrafo Mark Tompkins, “Instructions for the gods: i4gods” (2017), performance duracional para museu em colaboração com o músico Pan.demi.CK, e “A Floresta Invisível” (2021), projeto multidisciplinar focado na defesa das árvores anciãs. Colaborou com vários artistas em diferentes projetos enquanto bailarina, atriz e performer salientando Francisco Camacho, Meg Stuart, John Romão, Ballet Contemporâneo do Norte, Diana Bastos Niepce, Elizabete Francisca, Nuno Miguel, António MV, Jonny Kadaver, Agnieszka Dmochowska, Raquel Castro, Retina Dance Company e Rafael Alvarez.
Licenciada em dança pela Northern School of Contemporary Dance em Leeds (2003). Estagiou no Ballet Theatre Munich, sob a direção artística de Philip Taylor (2004). Membro fundador do coletivo artístico The Resistance Movement em Leeds (2005). Completou o Programa de Estudo e Criação Coreográfica-PEPCC no Fórum Dança em Lisboa (2009). Foi artista associada da EIRA entre 2013 e 2016. É diretora artística d’A BELA Associação. Integra a banda Kundalini XS e o projeto musical performativo Digital Pimp Hard at Work, ambos editados pela Gruta. Em 2016 recebeu o Galardão de Mérito Municipal Cultural pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão pelo seu percurso profissional.

 

Gustavo Ciríaco

Título do laboratório: Algumas histórias
Data e horário: 17/09 (15h-19h)

A palavra Teatro, na sua origem grega, traduz-se como o lugar de onde vemos. Fazer teatro implica potencialmente construir paisagens de ação e de fruição, onde os espectadores são convocados a um lugar com uma vista. Mas como pensar o teatro fora do teatro, num espaço selvagem? Até que ponto a construção da tragédia está associada ao seu lugar de acontecimento na natureza? Onde se encontram o sublime e o trágico na experiência coletiva de uma paisagem imaginada, porém habitada?
Tomando como ponto de partida elementos estruturais da construção cénica como a abertura, o intervalo, o gran finale, este curto laboratório de criação convida interessados em artes performativas e em diferentes narrativas em torno da paisagem a explorar e brincar com a construção de protótipos cénicos e site-specific.

Biografia
Gustavo Ciríaco (Rio de Janeiro) é um coreógrafo e artista transdisciplinar que transita entre a dança e as artes visuais, passando por projetos expositivos e intervenções na paisagem onde a experiência é o motor da partilha com o público.
Com um caráter site-specific, as suas obras fomentam o diálogo entre contexto e arquitetura, geografia e habitação, realidade e ficção, numa pesquisa contínua sobre os campos extensivos da arte de fazer danças. Suas obras foram vistas em festivais como Crossing the Line/N.Iorque; Casa Encendida/Madri; Museu Serralves/Porto; Mercat de Flors/Barcelona; Al-Mammal Foundation/Jerusalém; TWS/Tóquio; DAC/Taipé; Haus der Kulturen der Welt/Berlim; Panorama/Rio; FADJR/Teerão; Nave/Santiago, San Art/Saigão.
www.gustavociria.co

 

Pedro Ramos

Título do laboratório: Corpo em criação / Práticas de Incorporação
Data e horário: 18/09 (10h-14h)

A floresta é uma porta para o vasto, interior e exterior. O corpo habitado na extensão da consciência a cada uma das suas partes, explorando, percebendo, estudando o mundo de dentro e o de fora. Este laboratório ativa uma prática do movimento a partir de uma visão alargada sobre o Corpo enquanto unidade psico-física, como “um pedaço de natureza a ser conhecido”. Através do cruzamento entre a prática de yoga, estudos alquímicos, a partir do trabalho de Jung na sua relação com a psicologia, as artes performativas e a ecologia profunda, Pedro Ramos convida os participantes a explorar um espaço poético através do corpo e da escrita.

Biografia
Diretor Artístico da Ordem do O, coreógrafo, intérprete, artista visual e professor. É licenciado pela Escola Superior de Dança e é aluno do Mestrado de Teatro do Movimento, na ESTC. Leciona Oficina de Corpo na Licenciatura de Teatro na ESAD. Como intérprete tem trabalhado com vários criadores nacionais e internacionais. Das suas criações destaca, “Diário Métafisico”, “Matriz”, “Coniunctio”, “Alento”, “Corpo Anímico”, “Imo: eco-sistema interior”, “Rizoma” e “Metamorfoses”. Recebeu o prémio de melhor bailarino contemporâneo 2008- Gala Dance Awards-RTP1.
A Ordem do O é uma plataforma para o desenvolvimento, produção e divulgação de uma nova linguagem coreográfica e de uma metodologia de criação artística assente no trabalho de  pesquisa que Pedro Ramos tem levado a cabo  nos últimos anos em colaboração com outros  artistas. Apela a um entendimento daquilo que  está presente nos ciclos da vida, daquilo que é  essencial e se repete de forma renovada. Procura-se uma prática artística e de conhecimento alternativa à visão puramente dualista e de separação sujeito-objeto, homem-natureza, mente-matéria. Um senso de profunda ligação com o mundo vivo, com os outros, com o nosso próprio corpo e com esses corpo maior que é o mundo.

Produção: BoCA
Parceria: Fundação GDA
Apoios: Direção-Geral das Artes, Câmara Municipal de Lisboa, Fundação Millennium BCP

Próximos Eventos

ler mais
  • O Barco / The Boat

    29 setembro 2022 — 19 outubro 2022
    Somerset House, Londres

    GRADA KILOMBA

    A primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba viaja até Londres, à Somerset House.
    Composta por 140 blocos de madeira queimada, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Workshop “Fenómenos da sociedade e distância crítica e artística”

    30 setembro 2022 — 02 outubro 2022
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    ORLAN

    ORLAN é uma das mais importantes artistas francesas, autora do manifesto “A Arte Carnal”. Chocou o mundo nos anos 90 ao realizar a performance “A reencarnação da Santa Orlan”, uma série de nove cirurgias plásticas que foram transmitidas via satélite para diversos museus e galerias de arte da Europa. Dirige um workshop de três dias, pela primeira vez em Portugal.

    +
  • Coin Operated

    07 outubro 2022 — 08 outubro 2022
    Théâtre National de Chaillot, Paris

    JONAS & LANDER

    "Coin Operated" surgiu de um convite da BoCA a Jonas & Lander, para criarem uma peça para museu. O dispositivo cénico apresenta dois cavalos a motor, operados a moedas, com os dois artistas sentados. Para que algo aconteça o público tem de inserir uma moeda na ranhura dos cavalos. A performance aborda a relação económica e de poder, de conquista de território, de escravatura, da montada das classes sociais mais poderosas nas menos afortunadas.

    +
  • Cattivo

    08 dezembro 2022 — 21 dezembro 2022
    La Villette - Grand Halle, Paris

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Installation commissioned by BoCA in 2019, CATTIVO is a large-scale installation made up of hundreds of music stands designed by Cape Verdean choreographer Marlene Monteiro Freitas. Through the use of a sensorial type of stage mechanism, these objects, usually at the service of the musician and the score, become subjects with their own feelings and desires. CATTIVO explores the borders of the animal, plant and imaginary worlds.

    +
  • Trouble

    15 dezembro 2022 — 18 dezembro 2022
    La Villette, Paris

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +