BoCA Summer School 2020
Workshop dirigido por CECILIA BENGOLEA (Argentina/França)
Dança


“Dança – Vídeo – Ecossistema”

Nos últimos dez anos, a prática de Cecilia Bengolea tem sido centrada em torno da escultura social na dança de rua, bem como na observação da influência de elementos naturais nas práticas físicas.
Com a experiência em torno das Danças Utópicas dos anos 30 concebidas pelo coreógrafo François Malkovsky (1889-1982), Bengolea desenvolveu peças e outros experimentos a solo ou em colaboração com François Chaignaud. “Não é uma dança livre, mas um corpo livre”, diz Malkovsky sobre a sua dança poética, feita de breves coreografias inspiradas na imaginação do ser humano em harmonia com a natureza na pós-revolução agroindustrial.
Neste workshop, Cecilia Bengolea propõe dançar e filmar dentro (Casa da Dança de Almada) e fora do estúdio (Cais do Ginjal, em frente ao rio Tejo).
Partindo do seu imenso arquivo de vídeos, gravados por todo o mundo, Bengolea partilhará a sua prática em dança e em vídeo para refletir em conjunto como uma atividade pode influenciar a outra. Os participantes experimentarão exercícios de Movimento Autêntico, a partir de danças pós-modernas, bem como um repertório dos conceitos jamaicanos de Dancehall. Com os seus smartphones em punho, entre o espaço interior e o exterior, os participantes vão poder compor em tempo real a experiência vivida durante o workshop.

Biografia
Cecilia Bengolea (Buenos Aires, 1979) traduz a sua prática de dança comunitária antropológica através de vídeo, escultura e instalação. Concebe a performance como uma forma de escultura animada que lhe permite tornar-se objeto e sujeito simultaneamente. Infundida com as energias simbólicas encontradas na natureza e nas relações empáticas, as suas composições são construídas em torno das ideias do corpo – tanto individual quanto coletivo – como meio.
Nascida em Buenos Aires, Cecilia Bengolea estudou Dança Antropológica com Eugenio Barba e cursou Filosofia e História da Arte na Universidade de Buenos Aires. Em 2001, instala-se em Paris e frequenta a formação EXERCE, em Montpellier, dirigida por Mathilde Monnier.
As suas instalações e performances foram apresentadas na Gwangju Biennial (2014), Bienal de Lyon (2015), The Tanks e Tade Modern (2015), Faena Arts Center, Buenos Aires (2015 e 2017) Fig-2 25/50 at ICA, Londres (2015), Dia Art Foundation (May 2017), Tokyo Spiral Hall, Bienal de São Paulo (2016), The Infinite Mix, Hayward Gallery London (2016), Elevation 1049, Gstaad (2017), Palais de Tokyo, Paris (2015 e 2018), Art Night, ICA London (2015), Fiorucci Art Trust, Stromboli, Dhaka Art Summit (2018), TBA21, Venice (2018), Art Basel Miami Beach (2018), E.A.T (2019), Centre Pompidou (2010 e 2016), Engadin Art Talks 2019, Desertx 2019.
Bengolea tem colaborado com François Chaignaud desde 2005. As suas peças Pâquertte (2005-2008), Sylphides (2009) ganharam o Prémio da Crítica de Paris e o Young Artist Prize na Gwangju Biennal em 2014. Criaram peças para o Ballet de Lyon (2013), Ballet de Lorraine (2014) e Pina Bausch Tanztheater Wuppertal (2015).
Colabora com regularidade com os artistas Dominique Gonzalez-Foerster, Monika Gintersdorfer e Knut Klassen, e com os artistas especializados em dancehall Damion BG Dancerz, Joan Mendy ou Erika Miyauchi. Em colaboração com o artista inglês Jeremy Deller, co-realizou o filme RhythmAssPoetry para a Bienal de Lyon (2015) e o filme Bombom’s Dream para a Bienal de São Paulo (2016).
Na BoCA, em 2017, apresentou a performance Buss Dem Head em colaboração com o DJ Nigga Fox, no Lux/Frágil, e em 2020 concebeu uma partitura escrita para a série “Homework” da BoCA Online.


A QUEM SE DIRIGE
M/16, estudantes e profissionais de dança, teatro, performance ou qualquer outro território artístico com uma básica condição física.
> O workshop cumprirá as medidas de proteção e de segurança atualmente em vigor.

INSCRIÇÕES
Pode inscrever-se até dia 14 JUL, através do preenchimento do formulário disponibilizado neste link.
As inscrições são feitas por ordem de receção.

Produção: BoCA
Parceria: Fundação GDA
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Fundação Millennium BCP, Casa da Dança de Almada
A BoCA é um projeto financiado pelo Ministério da Cultura / DG Artes

Próximos Eventos

ler mais
  • I Am the Mouth

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea

    AGNIESZKA POLSKA

    Em “I Am the Mouth”, um par de lábios vermelhos meio submerso em água turbulenta, flutua enquanto repete frases calmantes, reenquadrando artisticamente o fenómeno viral de Internet conhecido por vídeos de ASMR (Auto Sensory Meridian Response) – sons gerados por materiais banais a raspar no microfone intensificados, tom de voz sussurrante que estimulam sensações agradáveis de formigamento e arrepio na nuca.

    +
  • Plantação de 7.000 Árvores

    03 setembro 2021 — 31 dezembro 2021
    LISBOA, ALMADA, FARO

    PLANTAÇÃO DE 7.000 ÁRVORES

    “A Defesa da Natureza” é um projeto a 10 anos através do qual a BoCA propõe aliar a criação e programação artística à criação e programação dos espaços naturais. Inspirado na célebre frase de Joseph Beuys, "Todos podemos ser artistas", propomos à comunidade artística e à sociedade civil a plantação de novas criações (naturais e artísticas), que formarão uma floresta de milhares de artistas e de obras de arte.

    +
  • A Tralha

    03 setembro 2021 — 05 setembro 2021
    Jardim do Museu de Lisboa

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +
  • O Barco/The Boat

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    MAAT

    GRADA KILOMBA

    Esta primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba, que se estende junto ao rio por 32 metros de comprimento, na Praça do Carvão do MAAT, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Untitled (Wave)

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Antiga

    ANNE IMHOF

    “Untitled (Wave)” cria ressonância entre questões sobre o feminino, a adoração e a imaterialidade. Remete também para a história de arte, em particular o conceito de sublime, associado ao período romântico à contemplação da natureza, de paisagens inóspitas ou desoladas, que traduzem a escala de pequenez do indivíduo perante a grandeza do universo.

    +
  • Une vague joyeuse/Uma onda feliz

    03 setembro 2021
    FARO

    LUÍS LÁZARO MATOS

    “Une vague joyeuse” é um projeto de Luís Lázaro Matos cujo título advém da última cena do filme “Testamento de Orfeu” (1960) de Jean Cocteau, onde um carro descapotável percorre as curvas de uma estrada enquanto os seus passageiros gritam de alegria, indiferentes a dois polícias estacionados na berma.

    +
  • Entre o Céu e a Terra

    04 setembro 2021 — 26 setembro 2021
    Praia da Bela Vista, Costa da Caparica (Almada)

    MÓNICA CALLE

    Em “Entre o Céu e a Terra”, Mónica Calle parte da escrita de Fiama Hasse Pais Brandão e desenvolve uma nova criação, a convite da BoCA, para um cenário natural: entre a praia e as dunas, na Costa da Caparica. Uma experiência intimista e desafiadora para 3 espectadores apenas por sessão.

    +
  • When All This Is Over, Let’s Meet Up! + Agents

    04 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANASTASIA SOSUNOVA

    Através de um processo de distorção e entrelaçamento de elementos que pertencem a antigas mitologias, entidades híbridas e à sociedade de vigilância, Sosunova cria formas alternativas de "folclore contemporâneo". Explora novas narrativas e formas de vida que implicam regras, éticas, códigos e acordos entre os seres vivos.

    +
  • Quero ver as minhas montanhas

    05 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    LISBOA, ALMADA E FARO

    SARA BICHÃO, DIANA POLICARPO, DAYANA LUCAS, GUSTAVO SUMPTA, GUSTAVO CIRÍACO, MUSA PARADISIACA, BERRU

    No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Joseph Beuys (1921-1986), a BoCA cria o projeto “A Defesa da Natureza”, um projeto artístico colaborativo que promove novas criações artísticas e que é composto pela série "Quero ver as minhas montanhas", com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes.

    +
  • Denominação de Origem Controlada

    05 setembro 2021
    Padrão dos Descobrimentos (Lisboa)

    GUSTAVO SUMPTA

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • O Terceiro Reich

    09 setembro 2021 — 10 setembro 2021
    Museu Nacional dos Coches (Picadeiro Real)

    ROMEO CASTELLUCCI

    “O Terceiro Reich” é uma vídeo-instalação performativa baseada na representação espectral de todos os nomes. Todos os substantivos encontrados no dicionário italiano (aqui traduzidos para português) são projetados, em sequência, um a um, com uma velocidade autoritária que as esvazia do seu conteúdo e significado.

    +
  • Overlapses, Riddles & Spells

    09 setembro 2021 — 12 setembro 2021
    Centro Cultural de Belém

    ANDREIA SANTANA

    O modo como nos co-relacionamos ou como nos afetamos mutuamente, numa permanente interdependência, é um princípio que atravessa muitas das obras da artista visual Andreia Santana. “Overlapses, Riddles & Spells” é um projeto que contempla uma instalação inédita com obras de vidro e ferro, acompanhadas por duas projeções de vídeo.

    +