Artista Residente no biénio 2019-2020

Portugal | Instalação | Nova criação

 

“Beyer – uma mulher, compositora e imigrante é um assunto impossível para uma história”, declara Diana Policarpo, artista residente da BoCA no biénio 2019-2020.

“Total Eclipse” (2019) marca uma nova etapa na pesquisa que Diana Policarpo tem vindo a aprofundar sobre a compositora vanguardista Johanna M. Beyer (1888-1944), cuja vida e obra (inacabada e ignorada) constitui matéria de inspiração para a criação de novas obras. O projeto inscreve-se num trabalho que Policarpo tem desenvolvido e que põe em relação, de forma crítica, questões de poder na cultura contemporânea, de que o som é uma matéria fundamental, por via da criação, principalmente, de instalações sonoras e performance. O ponto de partida é o trabalho seminal de Beyer, percursora da música eletrónica e da composição experimental, de Nova Iorque, de meados do século XX, que viu o seu trabalho negligenciado e por isso remetido para a invisibilidade. O seu perfil de mulher, emigrante (Beyer é uma compositora norte-americana nascida na Alemanha) é fator de discriminação, segundo Diana Policarpo.

“A partitura e o texto datilografados existentes estão quase inexistentes, tanto um trabalho que não é para ser visto como politicamente negligenciado. Literalmente obscurecido à vista de todos, a tal ponto que a recomendação do compositor Henry Cowell à Guggenheim Fellowship em nome de Beyer termina com o endosso de um homem, e não de Beyer. A história é tão flagrante. A estranha confusão que só podemos ler no seu relacionamento reverbera do arquivo, com ela obcecada e ele quase ódio.”

“Total Eclipse” é também uma instalação sonora inspirada em ‘Status Quo’ (1938), uma performance de Música das Esferas, para a ópera política não realizada pela compositora alemã-americana Johanna M. Beyer. É, assim, uma composição e uma história de arte que rompeu com a arte – que é o que o termo vanguarda quer descrever, e ainda não pode, porque Beyer era mulher.

 

Conceção e criação: Diana Policarpo
Produção:
BoCA
Apoio à produção: gnration

Próximos Eventos

ler mais
  • A Viagem Invertida / Barcelona

    25 outubro 2019
    Caixa Forum / Barcelona

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" é apresentada no contexto da exposição "En Caída Libre", com curadoria de João Laia, em Barcelona. Tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e de Lula Pena, e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • COMO FAZER UMA MÁSCARA / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    PEDRO BARATEIRO

    A performance "Como Fazer uma Máscara" de Pedro Barateiro é um monólogo, acompanhado por um conjunto de imagens projectadas, em que o artista tenta pensar a questão da máscara, através de dispositivos de linguagem e imagem e exemplos que vão da história do teatro ocidental a testes de personalidade.

    ler mais
  • Hard to be a god / Bangkok

    06 dezembro 2019 — 07 dezembro 2019
    Neilson Hays Library / Bangkok

    JOHN ROMÃO & ROMEU RUNA

    Depois da sua estreia mundial no contexto da BoCA 2017, em Lisboa, a performance “Hard to be a god” continua a sua circulação internacional e viaja agora até Bangkok. Os espectadores observam a performance através de uma janela de vidro que separa a ação de seu próprio corpo (protegido), como se fosse uma tela, enquadrando a ação exterior. Uma luta entre a natureza - em todo o seu esplendor - e a tecnologia.

    ler mais
  • A Viagem Invertida / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da sua estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" continua em digressão internacional. "A Viagem Invertida" tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais