“Sente-me, Ouve-me, Vê-me”

Projeto de formação e criação musical, em homenagem a HELENA ALMEIDA (1934-2018)

Concebido por John Romão, diretor artístico da bienal BoCA, o projeto “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” visa homenagear, através da música contemporânea, uma das maiores artistas do século XX e XXI, Helena Almeida (1934-2018).

Inspirado no gesto de Morton Feldman, que criou música para as pinturas de Rothko, da Rothko Chapel, em Houston, o diretor artístico da BoCA perguntou-se como seria criar música a partir da obra plástica de Helena Almeida, que desenvolveu entre 1978-1979 a série “Sente-me, Ouve-me, Vê-me”.

Estabelecendo uma parceria com três universidades de música, de três cidades (Lisboa, Porto e Braga) e reunindo três curadores (Ana Cristina Cachola, Delfim Sardo, Filipa Oliveira) e dois compositores (Dimitrios Andrikopoulos e Diogo Alvim), que assinam a tutoria do projeto, “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” promove a nova criação contemporânea portuguesa, centrada na relação entre as artes visuais e a música, permitindo tecer novas relações entre ambas.

Numa parceria com a Escola Superior de Música de Lisboa, a Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e o Departamento de Música da Universidade do Minho (Braga), cada cidade ficou afeta a um verbo – “Sente-me” / Lisboa, “Ouve-me” / Porto e “Vê-me” / Braga. Ao longo de quatro meses, os jovens compositores e instrumentistas recebam formação com os curadores e compositores convidados, afim de comporem e interpretarem musicalmente cada verbo da série homónima de Helena Almeida, e construindo um só objeto artístico através de um estimulante diálogo entre alunos das diferentes cidades.

“Sente-me, Ouve-me, Vê-me” transpira a essência da BoCA, assente nas sinergias e na itinerância. Promove uma sinergia única entre cidades, entre instituições de ensino superior, entre instituições culturais, entre territórios artísticos e entre jovens compositores e instrumentistas, que dialogam através da sua paixão pela música e pelo seu curioso interesse na obra de Helena Almeida. Nos últimos dias da bienal, “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” será um concerto, apresentado em Braga, Porto e Lisboa, reunindo assim os três verbos desta série.


Concepção:
John Romão
Curadores / tutores: Ana Cristina Cachola, Delfim Sardo, Filipa Oliveira
Compositores / tutores: Dimitrios Andrikopoulos, Diogo Alvim

Escola Superior de Música de Lisboa
Compositores: Marta Domingues, Sara Marita e Hugo Xavier.

Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo
Compositores: Margarida Lázaro, Francisco Gomes e Catarina Vieira.

Universidade do Minho / Departamento de Música
Instrumentistas: Morgana Pereira Patriarca, Luís Miguel Jorge Salomé, Rui Manuel Mendes de Seiça Rasteiro, José Alexandre Castro Tedim e João Pedro Pinto Lourenço.

Parcerias: Escola Superior de Música de Lisboa (Lisboa), Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e Universidade do Minho (Braga)
Produção: BoCA
Apoios: Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura, Fundação Millennium BCP
Acolhimentos: Teatro Nacional São Carlos (Lisboa), Casa das Artes (Porto), Museu Dom Diogo de Sousa (Braga)
A BoCA agradece à Fundação Calouste Gulbenkian e à Galeria Filomena Soares por terem cedido gentilmente registos de fotografia e de vídeo da série de Helena Almeida

Projeto patrocinado pela Fundação Altice

 

Próximos Eventos

ler mais
  • A Viagem Invertida / Barcelona

    25 outubro 2019
    Caixa Forum / Barcelona

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" é apresentada no contexto da exposição "En Caída Libre", com curadoria de João Laia, em Barcelona. Tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e de Lula Pena, e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • COMO FAZER UMA MÁSCARA / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    PEDRO BARATEIRO

    A performance "Como Fazer uma Máscara" de Pedro Barateiro é um monólogo, acompanhado por um conjunto de imagens projectadas, em que o artista tenta pensar a questão da máscara, através de dispositivos de linguagem e imagem e exemplos que vão da história do teatro ocidental a testes de personalidade.

    ler mais
  • Hard to be a god / Bangkok

    06 dezembro 2019 — 07 dezembro 2019
    Neilson Hays Library / Bangkok

    JOHN ROMÃO & ROMEU RUNA

    Depois da sua estreia mundial no contexto da BoCA 2017, em Lisboa, a performance “Hard to be a god” continua a sua circulação internacional e viaja agora até Bangkok. Os espectadores observam a performance através de uma janela de vidro que separa a ação de seu próprio corpo (protegido), como se fosse uma tela, enquadrando a ação exterior. Uma luta entre a natureza - em todo o seu esplendor - e a tecnologia.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • A Viagem Invertida / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da sua estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" continua em digressão internacional. "A Viagem Invertida" tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e música de Raw Forest.

    ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais