Portugal | Espetáculo | Nova criação

 

Gabriel Ferrandini é um dos músicos mais promissores da cena musical contemporânea portuguesa. Tendo tocado em colaboração com alguns dos melhores músicos de jazz e da música experimental (Thurston Moore, Nate Wooley ou Alex Zhang Hungtai) e tocado em contextos muito diversos, a crítica nacional e internacional não lhe poupa elogios. Habituámo-nos a ver Ferrandini numa luta verdadeira com a bateria, num acto de pura celebração do presente. A convite da BoCA, o artista concebe a sua primeira criação de palco, partilhando-o com o ator Frederico Barata.
“Rosa. Espinho. Dureza.” é constituído por três actos: trabalho, sexo, amor. Como um tríptico, em que os conceitos e materiais estão inter-ligados, cada ato terá uma ação e um objecto para representar o respectivo “problema”, que serão repetidos exaustivamente, testando a persistência e concentração dos intérpretes e desafiando o público a acompanhá-los nesta exigente viagem física e musical.
Em palco, um actor e um baterista a fazerem de si mesmos. Regras, medo, preguiça e distração. Ferrandini diz-nos que “numa vida sem força e sem fé podemos acabar em repetições que não nos levam a lado algum mas que nos poderão trazer alguma validação social. Isto não garante que deixar de sofrer ou perder a esperança numa vida mais real e mais cheia.” No fim volta-se ao início, como num esforço cíclico, numa alusão ao mito de Sísifo. Haverá salvação possível? O que resta? A verdade do corpo e a fé que se encontra depois dessa violência trágica?

 

Concepção e direção Gabriel Ferrandini
Assistência de direção Filipa Matta
Com Gabriel Ferrandini e Frederico Barata
Técnico de som José Alho
Espaço cénico e desenho de luz António Júlio Duarte
Revisão de texto Paulo da Fonseca
Produção Murmuriu
Co-produção BoCA, Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Municipal do Porto
Apoio à circulação Fundação GDA
Fotografia de promoção António Júlio Duarte
Registo fotográfico Bruno Simão e José Caldeira

Próximos Eventos

ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO

    08 abril 2020
    Teatro Municipal Baltazar Dias, Funchal

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente. Esta é a primeira presença da BoCA na ilha do Funchal.

    ler mais
  • Ecotemporâneos

    11 abril 2020
    Jardim da Estrela, Lisboa

    ECOTEMPORÂNEOS

    ATIVIDADE CANCELADA
    Ecotemporâneos é uma comunidade de leitura em espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, é constituída por um grupo aberto à diversidade, incluindo deficientes visuais e deficientes auditivos. Ao longo de 2020, o Ecotemporâneos é apresentado em parceria com a EGEAC Espaço Público. As sessões de 11 e 26 de Abril decorrem no Jardim da Estrela, em Lisboa.

    ler mais
  • Ecotemporâneos / Tiago Rodrigues

    26 abril 2020
    Jardim da Estrela, Lisboa

    ECOTEMPORÂNEOS

    ATIVIDADE CANCELADA
    Ecotemporâneos é uma comunidade de leitura em espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, é constituída por um grupo aberto à diversidade, incluindo deficientes visuais e deficientes auditivos. Ao longo de 2020, o Ecotemporâneos é apresentado em parceria com a EGEAC Espaço Público. As sessões de 11 e 26 de Abril decorrem no Jardim da Estrela, em Lisboa.

    Convidado:
    TIAGO RODRIGUES (26 SET)

    ler mais