PRESS PLAY

Exibição de vídeos de performances e filmes de artistas que questionam a relação do corpo performativo, com a arquitetura e a câmara. Projetos artísticos que assentam na relação profunda entre corpo-câmara ou corpo-arquitetura, aqui focados em espaços fechados. A escolha far-se-á directamente ora do arquivo da BoCA, ora via parcerias com outras instituições.
Contamos com a parceria BoCA x Tate Modern, na qual Catherine Wood (Curadora Sénior de Performance na Tate Modern) selecionou 3 performances concebidas exclusivamente para a série “BMW Tate Live: Performance Room” (2011-2015), uma série de performances transmitadas ao vivo e pensadas exclusivamente para o ciberespaço. Também BoCA x Coleção Fundação Serralves irá apresentar artistas portugueses.
Todas as quintas-feiras até, pelo menos, 30 de Junho 2020.

Todas as segundas-feiras lançamos a programação da semana no nosso website e redes sociais. Subscreve a nossa newsletter e o nosso canal de Youtube para receberes notícias em primeira mão.

 

SEMANA 2

30 ABR: Tania Bruguera, “Endgame” de Samuel Beckett (2017) / Arquivo BoCA, 22H
www.youtube.com/bocabienal

Tania Bruguera (1968) é uma artista cubana que tem operado na interseção entre arte e vida, explorando o papel que o artista e a arte podem ter na sociedade de hoje e na esfera política. Durante mais de 25 anos, Bruguera criou performances e instalações socialmente ativas que examinam a natureza das estruturas do poder político e o seu efeito sobre as vidas dos indivíduos e grupos mais vulneráveis da sociedade. A sua pesquisa centra-se na maneira como a arte pode ser aplicada à vida política quotidiana.
As suas obras expõem os efeitos sociais das forças políticas e apresentam questões globais de poder, migração, censura e repressão através de obras participativas que transformam “espetadores” em “cidadãos”. Ao criar propostas e modelos estéticos para o uso e adaptação dos outros, define-se como iniciadora em vez de autora, e colabora regularmente com vários indivíduos e instituições (MoMA, Gugghenheim, Tate, Bienal de Havana, etc.) para que a plena realização da sua obra ocorra quando os outros a adotam e perpetuam.
Promovendo o conceito de arte útil (literalmente, arte enquanto um benefício e uma ferramenta), Tania Bruguera propõe soluções para problemas sociopolíticos através da implementação da arte e desenvolve projetos de longo prazo que incluem um centro comunitário, um partido político para imigrantes e a escola Arte de Conduta.
Em 2017, comissionado pela BoCA, a artista desafiou-se a entrar no território do teatro, propondo encenar “Endgame” (Fim de partida) de Samuel Beckett, texto que leu em 1998 e para o qual desenhou uma gigante estrutura cilíndrica, constituída por andaimes, semelhante a uma prisão em forma de panóptico, que o público habitava para assistir ao espetáculo.

Leiam aqui o artigo que Sara Castelo Branco escreveu sobre o espetáculo “Endgame”

 

 

 

 

Próximos Eventos

ler mais
  • Andy

    23 setembro 2021 — 03 outubro 2021
    Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa)

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Concerto

    24 setembro 2021 — 25 setembro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado

    PAPILLONS D'ÉTERNITÉ (TÂNIA CARVALHO E MATTHIEU EHRLACHER)

    Os instrumentos tocados por Tânia e Matthieu, saxofone e erhu, e a sua colaboração com o Rancho Folclórico da Casa do Minho de Lisboa fazem com que se abrace uma nova forma de experimentar a tradição e o seu cancioneiro. As músicas são desmembradas da sua forma original para serem colocadas na construção de uma viagem sonora.

    +
  • Passeios Verdes

    25 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Online

    DIANA POLICARPO

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • IWOW: I WALK ON WATER

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge (Lisboa)

    KHALIK ALLAH

    “IWOW” é um filme do marcante fotógrafo e realizador nova-iorquino Khalik Allah, já descrito como realizador de “ópera de rua” e elogiado pelo olhar desarmante que desvela com delicada maestria uma humanidade visceralmente bela.

    +
  • Workshop de cinema – “Camera Ministry”

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge

    KHALIK ALLAH

    O cineasta e fotógrafo jamaicano-iraniano Khalik Allah dirige um workshop no qual discute o seu olhar sobre as comunidades negras em ambientes urbanos e a ética de retratar a marginalização no écran de cinema. O workshop investigará as maneiras pelas quais a metodologia distinta de Allah busca resistir aos estereótipos que ainda costumam enquadrar as discussões em torno de raça e marginalidade, em vez de adotarem uma abordagem empática e diferenciada.

    +
  • Movidas Raras

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge (Lisboa)

    RODRIGO GARCÍA

    O iconoclasta dramaturgo e encenador argentino Rodrigo García apresenta uma criação audiovisual, escrita e produzida à distância durante o período de confinamento. Nada de teatro, mas uma tela verde (chroma key) que dá asas à sua imaginação transbordante e à dos seus excepcionais intérpretes. Angélica Liddell, Denis Lavant, Florencia Vecino, François Chaignaud e Volmir Cordeiro entregam-se de corpo e alma.

    +
  • Brasa

    29 setembro 2021
    Teatro das Figuras

    TIAGO CADETE

    Em “Brasa”, Tiago Cadete prossegue uma das suas linhas de pesquisa teatral, a da interrogação e de olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e Brasil, acompanhado de um elenco de criadores-intérpretes de origens diversas: Isabél Zuaa, Julia Salem, Keli Freitas, Magnum Alexandre Soares, Ana Lobato, Dori Nigro, Gustavo Ciríaco e Raquel André.

    +
  • Anjo Solidão

    30 setembro 2021 — 01 outubro 2021
    Fundação Champalimaud / Anfiteatro ao ar livre

    GABRIEL FERRANDINI

    No momento em que lança "Hair of the Dog", a sua estreia a solo, Gabriel Ferrandini traz ao anfiteatro ao ar livre da Fundação Champalimaud uma performance que traduz precisamente esse estado de abertura a novas experiências artísticas: com o Coro Gulbenkian explora as possibilidades contemporâneas do canto lírico, com as vozes a sucederem-se em loops sucessivos (cânone), suscitando questões de memória, armadilhas e libertação.

    +
  • Water In A Heatwave

    30 setembro 2021 — 10 outubro 2021
    Carpintarias de São Lázaro (Lisboa)

    MILES GREENBERG

    “Water in a Heatwave” é uma nova performance duracional de 4h para oito performers e é o projeto mais desafiante, ao nível de escala e de duração, do artista. Dois a dois, os performers colidem os seus corpos uns contra os outros, no topo de uma série de pedestais, criando tensões variadas no espaço.

    +
  • Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus

    01 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANTÓNIO POPPE E LA FAMÍLIA GITANA

    “Música Cigana Camões Yanomani/ A Soma dos Seus” consiste numa performance-espetáculo que combina a poesia de Camões, textos de Davi Kopenawa (dos indígenas Yanomami), com Música Cigana. Este encontro cria uma composição comunicante entre expressões originais.

    +
  • TRÓPICOS MECÂNICOS (MUEDA)

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Lisnave (Cacilhas)

    FELIPE BRAGANÇA EM PARCERIA COM TEATRO GRIOT E CATARINA WALLENSTEIN

    Projeto transmedia, com inspirações no afro-futurismo e no tropicalismo brasileiro. A ficção científica, a fábula e a documentação misturam-se nesta performance visual e teatral em torno das memórias do Massacre de Mueda, ocorrido no Moçambique, em 1960.

    +
  • Um buraco do tamanho do teu toque

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado (Lisboa)

    ANDRÉ UERBA

    Através do desaceleramento, da inibição do sentido da visão e de uma aproximação cinética e somática ao corpo e seu movimento, André Uerba e performers exploram diferentes formas de se conhecerem e se sentirem. Corpos que se encontram, coordenam e comunicam de forma não verbal – abrindo um espaço que se entende político.

    +