PRESS PLAY

Exibição de vídeos de performances e filmes de artistas que questionam a relação do corpo performativo, com a arquitetura e a câmara. Projetos artísticos que assentam na relação profunda entre corpo-câmara ou corpo-arquitetura, aqui focados em espaços fechados. A escolha far-se-á directamente ora do arquivo da BoCA, ora via parcerias com outras instituições.
Contamos com parceria BoCA x Tate Modern, na qual Catherine Wood (Curadora Sénior de Performance na Tate Modern) selecionou 3 performances concebidas exclusivamente para a série “BMW Tate Live: Performance Room” (2011-2015), uma série de performances transmitadas ao vivo e pensadas exclusivamente para o ciberespaço, comissionadas pela Tate. Também BoCA x Coleção Fundação Serralves irá apresentar artistas portugueses, nomeadamente os vídeos-poemas-performances de Silvestre Pestana. Todas as quintas-feiras até, pelo menos, 30 de Junho 2020.


SEMANA 7

4 JUN, 22h: Emily Roysdon, performance “I am a helicopter, camera, queen” (2012)
Curadoria: Catherine Wood / Parceria Tate Modern
www.youtube.com/bocabienal

Próximos Eventos

ler mais
  • Trouble

    04 fevereiro 2022 — 05 fevereiro 2022
    Comédie - CDN de Reims, Reims

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Trouble

    12 fevereiro 2022 — 13 fevereiro 2022
    Teatro Calderón, Valladolid

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • A Tralha

    12 maio 2022 — 13 maio 2022
    Teatro Viriato, Viseu

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +