Portugal | Performance | Nova criação

Palavras de Gonçalo M. Tavares com imagens, objectos e movimento d’Os Espacialistas.
Os animais e as suas características infinitas. O homem e a sua avidez, um bípede ávido.
Os animais como o primeiro dinheiro.
O dinheiro como o último dos animais; um animal sem volume, largura e comprimento. Um animal abstracto.
As formas do dinheiro versus as infinitas manias dos animais.
Palavras, imagens, objectos e gestos em permanente colisão.
Uma conferência plena de encontros e desencontros entre palavra, imagem e gesto tendo o fragmento como base. Fragmentos: máquinas de produzir inícios.
O corpo, dinheiro animal está presente.

 

Com: Gonçalo M. Tavares e Os Espacialistas
Produção: BoCA
Registo fotográfico Bruno Simão

Próximos Eventos

ler mais
  • Trouble

    04 fevereiro 2022 — 05 fevereiro 2022
    Comédie - CDN de Reims, Reims

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Trouble

    12 fevereiro 2022 — 13 fevereiro 2022
    Teatro Calderón, Valladolid

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • A Tralha

    12 maio 2022 — 13 maio 2022
    Teatro Viriato, Viseu

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +