HORÁCIO FRUTUOSO

Na direção da Luz (2021) / instalação site-specific

[Artista Residente BoCA 2019-2020]

“Na direção da Luz” é uma intervenção site-specific para o foyer do Teatro Camões, a casa da Companhia Nacional de Bailado, que inaugura a parceria entre a BoCA e a CNB. Um conjunto de poemas visuais sugerem uma ideia de movimento, de transformação das palavras e do espaço onde estão instalados pela luz que, refletida no rio, entra por toda a fachada principal do Teatro Camões. Luz essa que se altera durante o dia de diferentes formas, bem como a sua vivência de constante transformação: entre os ensaios e as apresentações, os momentos em que está vazio e os momentos em que está cheio, pelo público que espera para entrar ou apressadamente sair, o ver de fora e o ser visto de dentro ou vice versa. 

Coprodução: BoCA Bienal e Opart/CNB

Créditos fotográficos: Na direção da Luz, 2021 © Horácio Frutuoso. Cortesia BoCA

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Horácio Frutuoso
Nasceu em 1991, no Porto, e atualmente vive e trabalha em Lisboa. Licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, instituição que lhe atribuiu o prémio aquisição de Artes Plásticas em 2012/2013. Tem também formação profissional em técnicas de produção e fusão de vidro soprado e com molde, pelo CENCAL da Marinha Grande.
Foi membro do grupo académico de investigação em performance SINTOMA, pertencente ao i2ADS da FBAUP. Co-autor do projecto artístico Expedição onde entre 2013 e 2015, produziu e programou diferentes projectos desde exposições individuais a colectivas, performances, residências, email-art, publicações e colaborações com instituições e espaços artísticos independentes.
Na produção do seu trabalho recorre a diferentes meios, estruturando a sua prática a partir do pensamento e organização de uma pintura, onde cruza com a poesia visual, imagens digitais, e a instalação-performance.
Expõe o seu trabalho artístico regularmente desde 2009, colaborando com outros artistas em diferentes projectos, destacando-se os seguintes: “Clube de Poesia”, Museu de Serralves, Porto 2019; “100 IMAGES; a word is worth a thousand pictures” curadoria de Alexandre Melo, Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa 2018; “Haus Wittgenstein” MAAT, Lisboa 2018; “H” na galeria Balcony, Lisboa 2018; “Abençoado Desalinho” solo project SP-ARTE 2018, curadoria Luiza Teixeira de Freitas; “Género na Arte: Corpo, Sexualidade, Identidade, Resistência” Museu Nacional Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa 2017; “Them or Us” com curadoria de Paulo Mendes, Galeria Municipal – Porto 2017; “O que eu sou” com curadoria de Inês Grosso e Luiza Teixeira de Freitas, MAAT – Lisboa 2017; entre outros.
A BoCA comissionou duas criações do artista: “Biblioteca” (2019) e “1+1=1” (2020).

Próximos Eventos

ler mais
  • Trouble

    04 fevereiro 2022 — 05 fevereiro 2022
    Comédie - CDN de Reims, Reims

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Trouble

    12 fevereiro 2022 — 13 fevereiro 2022
    Teatro Calderón, Valladolid

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • A Tralha

    12 maio 2022 — 13 maio 2022
    Teatro Viriato, Viseu

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +