Há alguns anos, o crítico de música Dominic Gill fez uma comparação curiosa entre o trabalho da compositora russa Sofia Gubaidulina e os princípios do encenador polaco Jerzy Grotowski, que escreveu uma das bíblias da prática teatral, “Teatro Pobre”.

Roubada essa referência, Gill propôs dizer que Sofia Gubaidulina escrevia “Música Pobre”. O que Gill queria provavelmente dizer era que a “pobreza” marca a música de Gubaidulina, no sentido de gerar uma enorme energia e concentração, reforçando a fragilidade do som, suspiros e gemidos, pedaços do canto ortodoxo da Rússia, simples e gigantes uníssonos, arrepios e tremores como se se tratasse de um filme.

Ao longo de 6 meses, alunos de três escolas de música do país participam neste projeto de formação e de criação artística, dirigido por Filipa Francisco (coreógrafa), Pedro Tudela (artista plástico e sonoro), Paulo Raposo e Filipe Reis (antropólogos) e José Luís Bento Coelho (engenheiro acústico) e Vera Mantero (coreógrafa).

As apresentações públicas do resultado deste encontro terão lugar no salão nobre do Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa), Teatro Nacional São João (Porto) e Cine-Teatro Avenida (Castelo Branco).

 

 

Direção artística da criação Filipa Francisco, Pedro Tudela
Formadores Filipa Francisco, Filipe Reis, José Luís Bento Coelho, Paulo Raposo, Pedro Tudela, Vera Mantero
Alunos Adriana Martins Fernandes, Cíntia Filomena Paiva, Francisco Alpoim, Francisco Bonacho, Gonçalo Filipe da Luz Fernandes, Henrique Laurett, João Vicente, Leonie Asamoah, Liliyana Toma, Lucas Rei Ramos, Rúben Borges, Solange Miranda Azevedo, Vigdis Hansa Elst
Parceria Escola de Música do Conservatório Nacional (Lisboa), Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (Porto), Escola Superior de Artes Aplicadas (Castelo Branco)
Produção BoCA
Co-produção Colectivo 84, Cine-Teatro Avenida, Teatro Nacional D. Maria II, Teatro Nacional São João
Apoio Fundação GDA
Projeto apoiado pelo Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes


Mecenas exclusivo do programa educativo da BoCA.

 

Biografias

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +