Nova Criação – Performance/Espectáculo

 

A materialização do gesto artístico passa tanto pela pintura quanto pela palavra escrita. O mesmo se pode dizer inversamente, tratando-se de António Poppe. Ou seja, a poesia que escreve transparece no papel como em outros media artísticos. António Poppe é poeta e artista visual, ou talvez algo permanentemente em trânsito entre os dois, no ato implicado de consciencializar o presente e o estar junto, ou não fosse a meditação também parte fundamental do artista que é. La Família Gitana são Ari, Rui, Leandro,  Ângelo, Alexandre e Mário, que além dos laços de sangue que os unem enquanto família, fazem da herança e da tradição um prazer diário.

“Música Cigana Camões Yanomani/ A Soma dos Seus” consiste numa performance/espetáculo que combina a poesia de Camões, textos de Davi Kopenawa (dos Indios Yanomani), com Música Cigana. Este encontro cria uma composição comunicante entre expressões originais. Somam-se também textos da Índia, Os Upanishad. Poemas escritos com Mumtazz, “O Agitador e a Corrente”. Vozes inspiradas em Camaron de La Isla, Ibra Galissa, Buika. E tantos outros que visitam os artistas através do ar do oxigénio a arder.

O convívio da aprendizagem plural é vivificante. A comunidade é isto. Criar em conjunto e tocar na memória de composição plural. É uma pedra a cantar a luz na água. Harmónio de vértebras. O mesmo tronco do coração. A música.

A composição da música e da poesia, para contemplar a natureza única do mundo. A firme determinação de desalojar a violência da exclusão. Um conjunto para contemplar a mistura que nunca pára a revelação da natureza.

 

Criação e direção: António Poppe
Co-criação e música: La Família Gitana
Produção: BoCA
Apoio: Fundação Calouste Gulbenkian

 

“Música Cigana Camões Yanomani / A Soma dos Seus” é um projeto comissionado pela BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021

 

Próximos Eventos

ler mais
  • A Tralha

    03 setembro 2021 — 05 setembro 2021
    Jardim do Museu de Lisboa

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +
  • O Barco/The Boat

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    MAAT

    GRADA KILOMBA

    Esta primeira instalação de grande escala de Grada Kilomba, que se estende junto ao rio por 32 metros de comprimento, na Praça do Carvão do MAAT, convida o público a entrar num jardim da memória, no qual poemas descansam sobre blocos de madeira queimada, lembrando histórias e identidades esquecidas. Que histórias são contadas? Onde são contadas? Como são contadas? E contadas por quem? São questões que se colocam ao entrar nesta instalação.

    +
  • Untitled (Wave)

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Antiga

    ANNE IMHOF

    “Untitled (Wave)” cria ressonância entre questões sobre o feminino, a adoração e a imaterialidade. Remete também para a história de arte, em particular o conceito de sublime, associado ao período romântico à contemplação da natureza, de paisagens inóspitas ou desoladas, que traduzem a escala de pequenez do indivíduo perante a grandeza do universo.

    +
  • Une vague joyeuse/Uma onda feliz

    03 setembro 2021
    FARO

    LUÍS LÁZARO MATOS

    “Une vague joyeuse” é um projeto de Luís Lázaro Matos cujo título advém da última cena do filme “Testamento de Orfeu” (1960) de Jean Cocteau, onde um carro descapotável percorre as curvas de uma estrada enquanto os seus passageiros gritam de alegria, indiferentes a dois polícias estacionados na berma.

    +
  • Plantação de 7.000 Árvores

    03 setembro 2021 — 31 dezembro 2021
    LISBOA, ALMADA, FARO

    PLANTAÇÃO DE 7.000 ÁRVORES

    “A Defesa da Natureza” é um projeto a 10 anos através do qual a BoCA propõe aliar a criação e programação artística à criação e programação dos espaços naturais. Inspirado na célebre frase de Joseph Beuys, "Todos podemos ser artistas", propomos à comunidade artística e à sociedade civil a plantação de novas criações (naturais e artísticas), que formarão uma floresta de milhares de artistas e de obras de arte.

    +
  • I Am the Mouth

    03 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea

    AGNIESZKA POLSKA

    Em “I Am the Mouth”, um par de lábios vermelhos meio submerso em água turbulenta, flutua enquanto repete frases calmantes, reenquadrando artisticamente o fenómeno viral de Internet conhecido por vídeos de ASMR (Auto Sensory Meridian Response) – sons gerados por materiais banais a raspar no microfone intensificados, tom de voz sussurrante que estimulam sensações agradáveis de formigamento e arrepio na nuca.

    +
  • When All This Is Over, Let’s Meet Up! + Agents

    04 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANASTASIA SOSUNOVA

    Através de um processo de distorção e entrelaçamento de elementos que pertencem a antigas mitologias, entidades híbridas e à sociedade de vigilância, Sosunova cria formas alternativas de "folclore contemporâneo". Explora novas narrativas e formas de vida que implicam regras, éticas, códigos e acordos entre os seres vivos.

    +
  • Entre o Céu e a Terra

    04 setembro 2021 — 26 setembro 2021
    Praia da Bela Vista, Costa da Caparica (Almada)

    MÓNICA CALLE

    Em “Entre o Céu e a Terra”, Mónica Calle parte da escrita de Fiama Hasse Pais Brandão e desenvolve uma nova criação, a convite da BoCA, para um cenário natural: entre a praia e as dunas, na Costa da Caparica. Uma experiência intimista e desafiadora para 3 espectadores apenas por sessão.

    +
  • Quero ver as minhas montanhas

    05 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    LISBOA, ALMADA E FARO

    SARA BICHÃO, DIANA POLICARPO, DAYANA LUCAS, GUSTAVO SUMPTA, GUSTAVO CIRÍACO, MUSA PARADISIACA, BERRU

    No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Joseph Beuys (1921-1986), a BoCA cria o projeto “A Defesa da Natureza”, um projeto artístico colaborativo que promove novas criações artísticas e que é composto pela série "Quero ver as minhas montanhas", com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes.

    +
  • Denominação de Origem Controlada

    05 setembro 2021
    Padrão dos Descobrimentos (Lisboa)

    GUSTAVO SUMPTA

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • O Terceiro Reich

    09 setembro 2021 — 10 setembro 2021
    Museu Nacional dos Coches (Picadeiro Real)

    ROMEO CASTELLUCCI

    “O Terceiro Reich” é uma vídeo-instalação performativa baseada na representação espectral de todos os nomes. Todos os substantivos encontrados no dicionário italiano (aqui traduzidos para português) são projetados, em sequência, um a um, com uma velocidade autoritária que as esvazia do seu conteúdo e significado.

    +
  • Overlapses, Riddles & Spells

    09 setembro 2021 — 12 setembro 2021
    Centro Cultural de Belém

    ANDREIA SANTANA

    O modo como nos co-relacionamos ou como nos afetamos mutuamente, numa permanente interdependência, é um princípio que atravessa muitas das obras da artista visual Andreia Santana. “Overlapses, Riddles & Spells” é um projeto que contempla uma instalação inédita com obras de vidro e ferro, acompanhadas por duas projeções de vídeo.

    +