ARGENTINA | FRANÇA
Estreia nacional – filme
“Movidas Raras”

O iconoclasta, dramaturgo e encenador argentino Rodrigo García está de volta com uma criação audiovisual, escrita e produzida à distância, durante o período de confinamento. Nada de teatro, mas uma tela verde (chroma key), que dá asas à sua imaginação transbordante e aos seus cinco excepcionais intérpretes, enfeitada com acessórios coloridos e improváveis. Angélica Liddell, Denis Lavant, Florencia Vecino, François Chaignaud e Volmir Cordeiro entregam-se de corpo e alma a este experimento desenvolvido a partir da casa de cada um dos intérpretes, que nunca ensaiaram juntos no mesmo espaço, e se gravaram a si próprios com smartphones e iPads.
A partir de Paris, Madrid, Buenos Aires, Lisboa e das Astúrias, a equipa de “Movidas Raras” embarcou junto de Rodrigo García num experimento ousado e incrível.
Vários personagens para histórias entrecruzadas, para além de um narrador protagonizado por Denis Lavant, que nos esclarece as relações entre cada. Uma das personagens, interpretada por Volmir Cordeiro, quer absolutamente fazer o remake do filme “Barry Lyndon” (1977) de Stanley Kubrick, outra fabrica ténis muito caros para “idiotas” e passa o tempo a desfazer ténis existentes para montá-los e comercializá-los com novas composições. Há também uma Anabatista, protagonizada por Angélica Liddell, e outras personagens surpreendentes.
Não é bem teatro, não é bem filme, não é uma vídeo-instalação… é um experimento audiovisual que reflete a necessidade de construção de novas narrativas e de mecanismos que permitam a construção do coletivo.

Direção artística e guião: Rodrigo García
Com: Angélica Liddell, Denis Lavant, Florencia Vecino, François Chaignaud, Volmir Cordeiro
Filmado por: Gumersindo Puche, Bruno Pace, Marcos Torino, Muriel Habrard
E com a participação de Gumersindo Puche, Mateo Mezquita, Diego Lamas, Laura Fernández, Arturo Iturbe, Elizabeth Iturbe, Manuel Lamas, Diego Lamas Jr, Carlos Lamas
Figurinos: Margaux Ponsard
Maquilhagem: Sylvie Cailler
Tradução francesa: Christilla Vasserot
Tradução portuguesa: Florencia Carrizo
Coordenação de produção: John Romão, Olivier Lataste
Música original: Daniel Romero
Montagem e criação visual: Jesús Santos, Daniel Romero, Arturo Iturbe, Rodrigo García
Legendagem em português: SPELL
Produção:
La compagnie Boucherie Théâtre / Rodrigo García
Produção delegada: Bonlieu Scène nationale Annecy
Coprodução: Malraux scène nationale Chambéry Savoie, Carré Colonnes Scène nationale, Centro Cultural Conde Duque, Comédie de Caen, Festival Grec Barcelona, Festival Temporada Alta, Le Phénix Scène nationale, Le Trident Scène nationale, MC93 Bobigny Scène nationale, Théâtre de Liège, Théâtre Garonne, Théâtre Vidy-Lausanne

Próximos Eventos

ler mais
  • Andy

    23 setembro 2021 — 03 outubro 2021
    Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa)

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Concerto

    24 setembro 2021 — 25 setembro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado

    PAPILLONS D'ÉTERNITÉ (TÂNIA CARVALHO E MATTHIEU EHRLACHER)

    Os instrumentos tocados por Tânia e Matthieu, saxofone e erhu, e a sua colaboração com o Rancho Folclórico da Casa do Minho de Lisboa fazem com que se abrace uma nova forma de experimentar a tradição e o seu cancioneiro. As músicas são desmembradas da sua forma original para serem colocadas na construção de uma viagem sonora.

    +
  • Plantação de 7.000 Árvores

    24 setembro 2021 — 09 outubro 2021
    LISBOA, ALMADA, FARO

    PLANTAÇÃO DE 7.000 ÁRVORES

    “A Defesa da Natureza” é um projeto a 10 anos através do qual a BoCA propõe aliar a criação e programação artística à criação e programação dos espaços naturais. Inspirado na célebre frase de Joseph Beuys, "Todos podemos ser artistas", propomos à comunidade artística e à sociedade civil a plantação de novas criações (naturais e artísticas), que formarão uma floresta de milhares de artistas e de obras de arte.

    +
  • Passeios Verdes

    25 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Online

    DIANA POLICARPO

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • Workshop de cinema – “Camera Ministry”

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge

    KHALIK ALLAH

    O cineasta e fotógrafo jamaicano-iraniano Khalik Allah dirige um workshop no qual discute o seu olhar sobre as comunidades negras em ambientes urbanos e a ética de retratar a marginalização no écran de cinema. O workshop investigará as maneiras pelas quais a metodologia distinta de Allah busca resistir aos estereótipos que ainda costumam enquadrar as discussões em torno de raça e marginalidade, em vez de adotarem uma abordagem empática e diferenciada.

    +
  • IWOW: I WALK ON WATER

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge (Lisboa)

    KHALIK ALLAH

    “IWOW” é um filme do marcante fotógrafo e realizador nova-iorquino Khalik Allah, já descrito como realizador de “ópera de rua” e elogiado pelo olhar desarmante que desvela com delicada maestria uma humanidade visceralmente bela.

    +
  • Brasa

    29 setembro 2021
    Teatro das Figuras

    TIAGO CADETE

    Em “Brasa”, Tiago Cadete prossegue uma das suas linhas de pesquisa teatral, a da interrogação e de olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e Brasil, acompanhado de um elenco de criadores-intérpretes de origens diversas: Isabél Zuaa, Julia Salem, Keli Freitas, Magnum Alexandre Soares, Ana Lobato, Dori Nigro, Gustavo Ciríaco e Raquel André.

    +
  • Water In A Heatwave

    30 setembro 2021 — 10 outubro 2021
    Carpintarias de São Lázaro (Lisboa)

    MILES GREENBERG

    “Water in a Heatwave” é uma nova performance duracional de 4h para oito performers e é o projeto mais desafiante, ao nível de escala e de duração, do artista. Dois a dois, os performers colidem os seus corpos uns contra os outros, no topo de uma série de pedestais, criando tensões variadas no espaço.

    +
  • Anjo Solidão

    30 setembro 2021 — 01 outubro 2021
    Fundação Champalimaud / Anfiteatro ao ar livre

    GABRIEL FERRANDINI

    No momento em que lança "Hair of the Dog", a sua estreia a solo, Gabriel Ferrandini traz ao anfiteatro ao ar livre da Fundação Champalimaud uma performance que traduz precisamente esse estado de abertura a novas experiências artísticas: com o Coro Gulbenkian explora as possibilidades contemporâneas do canto lírico, com as vozes a sucederem-se em loops sucessivos (cânone), suscitando questões de memória, armadilhas e libertação.

    +
  • Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus

    01 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANTÓNIO POPPE E LA FAMÍLIA GITANA

    “Música Cigana Camões Yanomani/ A Soma dos Seus” consiste numa performance-espetáculo que combina a poesia de Camões, textos de Davi Kopenawa (dos indígenas Yanomami), com Música Cigana. Este encontro cria uma composição comunicante entre expressões originais.

    +
  • TRÓPICOS MECÂNICOS (MUEDA)

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Lisnave (Cacilhas)

    FELIPE BRAGANÇA EM PARCERIA COM TEATRO GRIOT E CATARINA WALLENSTEIN

    Projeto transmedia, com inspirações no afro-futurismo e no tropicalismo brasileiro. A ficção científica, a fábula e a documentação misturam-se nesta performance visual e teatral em torno das memórias do Massacre de Mueda, ocorrido no Moçambique, em 1960.

    +
  • Um buraco do tamanho do teu toque

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado (Lisboa)

    ANDRÉ UERBA

    Através do desaceleramento, da inibição do sentido da visão e de uma aproximação cinética e somática ao corpo e seu movimento, André Uerba e performers exploram diferentes formas de se conhecerem e se sentirem. Corpos que se encontram, coordenam e comunicam de forma não verbal – abrindo um espaço que se entende político.

    +