A realizadora de cinema Salomé Lamas, artista residente da BoCA em 2017-2018, desloca-se até Braga para dirigir um laboratório intensivo, dedicado ao trabalho de pesquisa, desenvolvimento, conceção e conceito para filme documentário.

Ao longo de um dia intensivo, serão dadas noções gerais de como pensar e montar um projeto de documentário, as fases envolvidas desde a conceção da ideia ao produto final.

Será contemplado um exercício de grupo (pitching), em que os participantes comunicam a sua ideia ao colega e o mesmo comunica o projecto de que não é autor aos restantes participantes com recurso a outros materiais. Numa segunda fase, haverá sessões de grupo de desenvolvimento de propostas com Salomé Lamas e noções gerais de como elaborar um dossier de produção/realização.

 

ESGOTADO

 

SALOMÉ LAMAS (Lisboa, 1987) é investigadora e realizadora de cinema. A sua obra dissolve a suposta fronteira entre documentário e ficção. Interessada pela relação intrínseca entre narrativa, memória e história, Lamas usa a imagem em movimento para explorar o traumaticamente reprimido, aparentemente irrepresentável ou historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global. Em 2017-2018 é artista residente da BoCA.

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Mamadou Ba

    10 abril 2021
    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Mamadou Ba (ativista político, tradutor, dirigente SOS Racismo)
    Livro escolhido: "Erosão" de Gisela Casimiro
    Espaço verde: Jardim do Museu de Lisboa

    ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Beatriz Batarda

    24 abril 2021
    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Beatriz Batarda (atriz)
    Livro escolhido: "Caderno de Memórias Coloniais" de Isabela Figueiredo
    Espaço verde: Jardim do Museu de Lisboa

    ler mais