Romeo Castellucci apresentou-nos o masoquismo e a crueldade nos clássicos mais intocáveis. Depois de estrear em 1997 uma polémica versão de “Júlio César” que surpreendeu a Europa, Castellucci apresenta agora uma versão sintetizada e destinada a espaços não-convencionais. Neste drama da voz, encontramos duas personagens misteriosas: “…vski”, uma espécie de Stanislavski, e Marco António, interpretado por um ator com laringectomia.

Enquanto o primeiro filma com um endoscópio a vibração das suas cordas vocais, mostrando a origem sexual da palavra e o encaminhamento da palavra livre e da voz, instrumento do ator e da arte da oratória; o segundo inicia a partir do esófago o seu apelo ao povo, numa meditação sobre a mortalidade e o seu significado. Os corpos-estátuas dos intérpretes são literalmente virados do avesso.

Combinando elementos que provêem da escultura, da tecnologia e do mundo animal, Romeo Castellucci desobedece uma vez mais às convenções e limites das disciplinas, colocando estes dois representantes complementares da oratória no coração de um “Júlio César” renascido. Tocando na democracia, na retórica e no ritual, este é encontro visceral com um teatro tão perturbador quanto transcendente.

 

 

Intervenção dramática sobre William Shakespear

Conceção e direção Romeo Castellucc
Com Gianni Plazzi, Sergio Scarlatella, Maurizio Cerasoli e com Paulo Ferreira e Joaquim Martins
Assistente de Direção Silvano Voltolina
Técnico de Som Nicola Ratti
Gestão de Produção Benedetta Briglia
Promoção e Comunicação Valentina Bertolino, Gilda Biasini, Giulia Colla
Administração Michela Medri, Elisa Bruno, Simona Barducci
Consultor Económico Massimiliano Coli
Produção Socìetas
No âmbito de “e a raposa disse ao corvo. Curso de linguística geral”
Projeto Especial da Cidade de Bolonha 2014

Apoios à apresentação Teatro Nacional São JoãoInstituto Italiano de Cultura, BoCA

 

 

Biografia

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +