Austrália/Portugal | Espetáculo

 

O timing não podia ser mais adequado. Num tempo em que assistimos à eminência de novos radicalismos, de posições extremadas, Paulo Castro regressa ao teatro político – que tem marcado o seu percurso – com Edward Bond e “Coros para depois dos assassinatos”.
Neste tempo presente, revisitamos o passado recente, esmagador dos direitos e liberdades humanas, nas relações traumáticas, e ainda não suficientemente discutidas, de Portugal como colonizador, sintoma de uma sociedade que tende para se gerir na dualidade: opressores e oprimidos. Mas nada é assim tão simples… Na peça de Bond, o dramaturgo britânico imagina um mundo de violência por vir, 50 anos mais tarde (a peça é de 1998), resultado de uma escalada do domínio militar. Os sintomas dessa sociedade militarizada, opressiva e devastadora das liberdades humanas podem agora ser revisitados em “Hello My Name Is”, um espetáculo para um homem só, interpretado pelo ator Rashidi Edward. Neste “one man show”, Rashidi faz uma apresentação de um homem que se coloca em múltiplos papéis – ele é a pessoa que faz luto por alguém que foi assassinado para logo a seguir ser o militar que dispara a matar –, usando a linguagem poética de Edward Bond para chamar a atenção para o lugar que cada um ocupa nas dinâmicas de jogos de poder tirânicos, de que a história recente das ex-colónias portuguesas é apenas um exemplo. Todos estamos implicados no destino da humanidade, diz-nos Paulo Castro (como encenador) e Rashidi Edward (como ator, natural do Congo) nesta peça, que marca o regresso a Portugal do criador radical e disruptivo, que em 2002 fundou a companhia Stone/Castro, partilhando a direção artística com a bailarina Jo Stone, fazendo de Adelaide (Austrália) a sede de trabalho a partir de 2006.

 

Texto Paulo Castro, a partir de “Coros para depois dos assassinatos” de Edward Bond
Encenação Paulo Castro
Com Paulo Castro (em substituição de Rashidi Edward)
Co-produção OzAsia Festival (Austrália), Colectivo 84 (Portugal), Stone/Castro (Austrália)

Apoio técnico Eduardo Maltez
Apoio à circulação Fundação GDA

Próximos Eventos

ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais