inspirado em “A Play of Selves” de Cindy Sherman

Em meados dos anos 70, Cindy Sherman explorava várias manipulações da sua própria persona, experimentando maquilhagem e figurinos, para depois começar a explorar a fotografia. “A Play of Selves” é um conto visual constituído por uma série de 72 encenações fotográficas que a artista cria em torno de uma jovem perseguida por vários alter-egos que lutam dentro dela.

Esta “peça”, constituída por dezenas de fotografias da artista vestida de tantas personagens quanto de poses, foi oferecida pela BoCA ao encenador Marco Paiva para que servisse de inspiração à criação de um novo espetáculo do coletivo Crinabel Teatro.

Desenvolvendo um trabalho artístico continuado com jovens portadores de deficiência mental, o Crinabel Teatro é um projeto pioneiro no nosso país para o qual colaboram regularmente artistas e dramaturgos diferentes sob a direção de Marco Paiva.

Nesta nova criação, “Guia Prático para Artistas Ocupados”, a partir da peça de Cindy Sherman, são convidados a colaborar o realizador de cinema Edgar Pêra e a plataforma de música Digitópia, da Casa da Música, que se baseia nas novas tecnologias para expandir os domínios da música digital e eletrónica. Explorando o sentido mais primário das diferentes formas de narrativa, o objetivo é criar uma forma estrutural simples para conteúdos complexos.

Em “Guia Prático”, os criadores, juntamente dos 13 intérpretes, desafiam a fronteira entre a ficção e a realidade, tentando encontrar, entre o universo criativo da fotógrafa Cindy Sherman e o deles, uma possibilidade de alterar formas e conteúdos paradigmáticos, colocando em causa os sentidos absolutos.

 

 

Intérpretes António Coutinho, Ana Rosa Mendes, Andreia Farinha, Carolina Sousa Mendes, Carlos Jorge, Filipe Madeira, Hugo Fernandes, Joana Honório, João Leon, João Pedro Conceição, Rui Fonseca, Ricardo Peres, Tomás Almeida
Espaço sonoro Digitópia
Desenho de luz Nuno Samora
Vídeo Edgar Pêra
Assistência de encenação Maria de Lurdes Neto, Tiago Gonçalves, Júlia Luís
Co-produção BoCA, Casa da Música, Crinabel Teatro
Apoios Câmara Municipal de Lisboa, Fundo de Fomento Cultural

 

Biografias

 

Próximos Eventos

ler mais
  • TERRA COBRE

    01 junho 2024 — 02 junho 2024
    Serralves

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +