Portugal | Performance | Nova criação

 

Vozes sem língua chegam onde a língua de falar não pode chegar. Cantos sem música chegam onde a canção não pode soar. Pés sem chão chegam onde a terra é fértil, onde os mortos sempre foram presentes.

O lugar de dor para sarar a ferida é muitas vezes improvável. Mas ultrapassar a dor é a via utópica para se chegar ao outro lado. Quem pode ouvir? Quem pode gritar? O que há para reparar? Quem não vai durar? O que é que falta sonhar?

O Instituto da Mulher Negra em Portugal – INMUNE, responde assim ao convite da BoCA para criar uma performance de spoken word em torno dos temas que envolvem a criação desta entidade feminista interseccional e anti-racista, constituída por mulheres negras. Esta performance, “Gestuário II”, segue intacta no combate ao silenciamento das mulheres negras, africanas e afrodescendentes na História e no tempo presente. As INMUNE promovem o empoderamento, a participação social e política de mulheres, a igualdade de direitos, a paridade e a justiça social, fomentando através das suas atividades e reflexões, um ambiente propício à afirmação e valorização da herança e da cultura negra e africana em Portugal.

 

Criação INMUNE
Direção Zia Soares
Performers Alesa Herero, Denise Viana, Raquel Lima, Sandra Costa
Textos Raquel Lima, Zia Soares
Tradução para crioulo Sandra Costa
Figurinos e adereços Neusa Trovoada, Zia Soares
Fotografia Luís F. Simões, Marlene Nobre, Sofia Berberan
Design gráfico Neusa Trovoada
Co-produção INMUNE, BoCA

 

 

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • BoCA Summer School: Cantos na Cosmovisão Huni Kuin

    06 julho 2024 — 07 julho 2024
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    COLETIVO HUNI KUIN

    No workshop "Cantos na Cosmovisão Huni Kuin", o coletivo Huni Kuin propõe uma experiência imersiva que se relaciona com a cultura musical do seu povo, pensando a voz e a melodia enquanto veículos e instrumentos para agir no mundo, constituir corpos e viver bem.

    +
  • BoCA Summer School: Corpo e Natureza

    06 julho 2024 — 07 julho 2024
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    COLETIVO HUNI KUIN

    No workshop "Corpo e Natureza", o coletivo Huni Kuin propõe uma prática e reflexão acerca do papel da arte no processo de fortalecimento de corpos na sua sociedade. Durante a formação, cada corpo assumirá diferentes faces: ora instrumento, ora embarcação coletiva, ora suporte para intervenção artística, simbólica e comunicativa com a natureza através da descoberta da pintura.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +