PORTUGAL
Nova Criação – Teatro / Performance
“Entre o Céu e a Terra”

Depois de “Carta” – peça estreada já este ano, no Teatro D. Maria II, com 32 mulheres em palco e que representa o culminar de sete anos de trabalho a partir do seu antecessor, “Ensaio Para Uma Cartografia” –, Mónica Calle regressa ao registo intimista e ao trabalho sobre o texto, mas num contexto muito especial. Em “Entre o Céu e a Terra”, Mónica Calle parte da escrita de Fiama Hasse Pais Brandão e desenvolve uma nova criação, a convite da BoCA, para um cenário natural: entre a praia e as dunas, na Costa da Caparica.

As três atrizes – Mónica Calle, Mónica Garnel e Inês Vaz – partiram numa peregrinação a pé, de 26 dias, desde a Sé de Lisboa até Santiago de Compostela. Um caminho de fé que integra o díptico “Caminho Para a Meia Noite”, que Calle irá apresentar com as duas atrizes, ainda este ano, no TBA. Este “Entre o Céu e a Terra” integra este conjunto de projetos, como um primeiro momento de apresentação pública, e com características muito específicas: foi pensado para a conhecida praia naturista da Costa da Caparica, fazendo emergir os espectadores num percurso pelas dunas e pela zona de mata, até ao seu encontro. Mónica volta à reflexão sobre identidade e representação feminina, investindo na marginalidade do seu teatro radical e poético.

Para poucos espetadores, em três sessões diárias, “Entre o Céu e a Terra” leva-nos a um território inominável: “No Apocalipse os demónios arrependidos serão anjos e os anjos culpados serão demónios, ligados , fisicamente, costas com costas” (Fiama Hasse Pais Brandão em “Eu vi o Epidauro”).

 

Direção, interpretação e iluminação: Mónica Calle
Texto: A partir de “Poe ou o Corvo” e “Eu Vi o Epidauro” de Fiama Hasse Pais Brandão
Co-autoria e interpretação: Mónica Garnel e Inês Vaz
Cenografia: Nadir Bonaccorso
Direção de produção: Sérgio Azevedo
Produção executiva: Diogo Machado
Produção: Casa Conveniente/Zona Não Vigiada
Co-produção: BoCA
Residência artística: Comédias do Minho
Fotografias: Bruno Simão

“Entre o Céu e a Terra” é uma comissão da BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • BoCA Summer School: Corpo e Natureza

    06 julho 2024 — 07 julho 2024
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    COLETIVO HUNI KUIN

    No workshop "Corpo e Natureza", o coletivo Huni Kuin propõe uma prática e reflexão acerca do papel da arte no processo de fortalecimento de corpos na sua sociedade. Durante a formação, cada corpo assumirá diferentes faces: ora instrumento, ora embarcação coletiva, ora suporte para intervenção artística, simbólica e comunicativa com a natureza através da descoberta da pintura.

    +
  • BoCA Summer School: Cantos na Cosmovisão Huni Kuin

    06 julho 2024 — 07 julho 2024
    MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

    COLETIVO HUNI KUIN

    No workshop "Cantos na Cosmovisão Huni Kuin", o coletivo Huni Kuin propõe uma experiência imersiva que se relaciona com a cultura musical do seu povo, pensando a voz e a melodia enquanto veículos e instrumentos para agir no mundo, constituir corpos e viver bem.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +