ECOTEMPORÂNEOS

Este é o projeto que tem juntado personalidades diferentes a pensar os espaços verdes da cidade de Lisboa em relação com a literatura. Agora, em formato online, cada convidado partilha uma fotografia sua numa paisagem natural, relacionando-a com um livro que tenha em casa. Cria-se assim um diálogo entre o interior e o exterior, entre o corpo (confinado na habitação e na fotografia), a natureza e a imaginação. Uma conversa informal via live do instagram na qual a comunidade online é chamada a participar.
Todos os domingos até, pelo menos, 30 de Junho 2020.

Todas as segundas-feiras lançamos a programação da semana no nosso website e redes sociais. Subscreve a nossa newsletter e o nosso canal de Youtube para receberes notícias em primeira mão.

 

SEMANA 2

3 MAI: SARA BARROS LEITÃO (atriz e encenadora), 16h
Local da fotografia escolhida:
 “Portugal dos Pequeninos”, Coimbra
Livro escolhido: “Novas Cartas Portuguesas”, de Maria Teresa Horta, Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa (1974)
Moderação: John Romão
Live Instagram @bocabienal

“O corpo no espaço público. Em 1997, ou 96 ou 98, o meu pai carregava no botão da máquina fotográfica descartável que tínhamos comprado nessa manhã, para registar a viagem familiar que fazíamos a Coimbra, ao Portugal dos Pequenitos. Como todas as fotografias, há um antes e um depois. Há o momento em que nos preparamos (porque esta fotografia não foi desprevenida), e o momento em que desmobilizamos a pose. (Podemos sair de uma fotografia transformados?) Nesta fotografia em particular, lembro-me com especial rigor do antes e do depois, porque o disparo coincidiu também com uma inevitável mudança em mim.
Vinte anos depois, entendi melhor o que se tinha passado, durante uma das leituras que fiz de “Novas Cartas Portuguesas”.
Cruzo um dos livros da minha vida com um acontecimento tão ingénuo quanto marcante na minha luta pelo corpo da mulher no espaço público. Seja na estatuária das cidades, nos nomes das ruas, no lugar de fala, de discussão, de decisão ou de luta. No íntimo que também é público. No corpo como acto político.” 

Sara Barros Leitão

Sara Barros Leitão (1990) formou-se em Interpretação pela Academia Contemporânea do Espetáculo e iniciou a licenciatura de Estudos Clássicos na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.  Trabalha regularmente em televisão, cinema e teatro.  Presentemente, trabalha como actriz, criadora, encenadora, assistente de encenação e dramaturga. No último ano destacam-se as encenações dos concertos Trilogia das Barcas (2018), de Gil Vicente, e Rei Lear (2019) de William Shakespeare, coproduzidos pelo CCB e Toy Ensemble; bem como as criações Teoria das Três Idades (2018), coproduzida pelo Teatro Experimental do Porto e Teatro Municipal do Porto, a partir do estudo do arquivo do TEP, e Todos Os Dias Me Sujo De Coisas Eternas (2019), a partir de um trabalho de investigação sobre a toponímia portuense, apresentado no projecto Cultura em Expansão. Feminista, activista por todas as desigualdades ou injustiças, incoerente e a tentar ser melhor, revolucionária quanto baste, artista difícil de domesticar. Usa o espaço de cena, o papel e a caneta como se fosse uma caixa de fósforos e um bidão de gasolina, ou um megafone para contar a história dos esquecidos. 

 

 

 

 

Próximos Eventos

ler mais
  • Trouble

    04 fevereiro 2022 — 05 fevereiro 2022
    Comédie - CDN de Reims, Reims

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Trouble

    12 fevereiro 2022 — 13 fevereiro 2022
    Teatro Calderón, Valladolid

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco com uma equipa portuguesa, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • A Tralha

    12 maio 2022 — 13 maio 2022
    Teatro Viriato, Viseu

    CAPICUA

    "A Tralha" é um quase monólogo sobre acumulação. Um ensaio sobre o desperdício e a obsolescência em forma de narrativa pessoal. Uma reflexão sobre os objetos que nos rodeiam, que nos servem de extensão, que contêm as nossas memórias e que nos servem de interface com o mundo. Sobre os objetos que manipulamos e com os quais definimos as coreografias que inscrevemos no espaço e as nossas rotinas.

    +