ECOTEMPORÂNEOS
Literatura em espaços verdes

 

Convidada: Gisela João (fadista)
Livro escolhido: “O Sol e as Suas Flores” de Rupi Kaur, editora Lua de Papel
Espaço verde: Quinta da Alfarrobeira (Junta de Freguesia de São Domingos de Benfica), Lisboa

Lotação limitada à capacidade do espaço com inscrição prévia para info@bocabienal.org

> Sessão com intérprete de Língua Gestual Portuguesa e oferta do livro em braille para deficientes visuais

Ecotemporâneos partilham um mesmo tempo (contemporâneo) e um mesmo espaço (meio ambiente) em torno da literatura e do lugar.
Em cada sessão, conhecemos a história daquele jardim pelo seu jardineiro, um convidado especial escolhe um livro e apresenta-o na relação com aquele lugar.
Aberto, inclusivo e acessível, as sessões do Ecotemporâneos contam também com um intérprete de Língua Gestual Portuguesa e são produzidos e distribuídos livros em braille, tornando acessível a leitura e o diálogo entre todos.
No ano em que Lisboa é Capital Verde Europeia, a BoCA, em parceria com a EGEAC, continua a desenvolver este projeto que ocupa os espaços verdes da cidade, promovendo a sua acessibilidade e fruição através da literatura. Nas sessões anteriores, contámos com diferentes convidados, tais como Matilde Campilho, Mamadou Ba, Dulce Maria Cardoso, João Pedro Vale & Nuno Alexandre Ferreira, Albano Jerónimo, Capicua, Teresa Villaverde, Julião Sarmento, Mariana Monteiro, Tiago Rodrigues.

Gisela João é uma fadista portuguesa da nova geração. Nasceu em Barcelos, conheceu o fado na rádio e começou a reproduzi-lo para a família, primeiro, para os amigos e vizinhos, depois, em concursos de talentos infantis. Mudou-se para o Porto, queria estudar design de moda. Com 16/17 anos, Gisela foi cantar para a “Adega Lusitana”, em Barcelos. Mas o canto foi mais forte, entrou no circuito marialva da Invicta e ali passou uns anos, acabando por desaguar na Mouraria. E foi aí que a miúda franzina, de voz rouca e poderosa, começou a mostrar ao resto do mundo aquilo que ela mesma diz, nas últimas palavras da última música do seu primeiro disco: «Não é fadista quem quer, mas sim quem nasceu fadista». Em 2008 gravou o seu primeiro álbum a solo “O Meu Fado” – Estúdios Conquista de edição de autor. Em 2009 gravou um álbum com os Atlantihda. É depois um dos nomes convidados no disco de Fernando Alvim. Apontada por Camané como a grande aposta musical para 2013, Gisela João tem pisado palcos em Lisboa, como o Centro Cultural de Belém, a discoteca Lux (primeiro como convidada de Nicolas Jaar e depois num concerto em nome próprio), o Teatro do Bairro, o clube Frágil, O Sr. Vinho, ou a tasca da Bela, em Alfama.


Concepção e direção artística: 
John Romão
Produção executiva: Carolina Forjaz Trigueiros
Produção: BoCA
Co-produção: EGEAC Espaço Público
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Direção-Geral das Artes, Fundação Millennium BCP, Editora Lua de Papel

Próximos Eventos

ler mais
  • Andy

    23 setembro 2021 — 03 outubro 2021
    Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa)

    GUS VAN SANT

    O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

    +
  • Concerto

    24 setembro 2021 — 25 setembro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado

    PAPILLONS D'ÉTERNITÉ (TÂNIA CARVALHO E MATTHIEU EHRLACHER)

    Os instrumentos tocados por Tânia e Matthieu, saxofone e erhu, e a sua colaboração com o Rancho Folclórico da Casa do Minho de Lisboa fazem com que se abrace uma nova forma de experimentar a tradição e o seu cancioneiro. As músicas são desmembradas da sua forma original para serem colocadas na construção de uma viagem sonora.

    +
  • Passeios Verdes

    25 setembro 2021 — 17 outubro 2021
    Online

    DIANA POLICARPO

    A série de performances no espaço natural “Quero ver as minhas montanhas”, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes, propõe aos artistas olharem o legado de Joseph Beuys, ao mesmo tempo que observam as suas próprias montanhas, ou o seu ‘eu’ interior.

    +
  • Movidas Raras

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge (Lisboa)

    RODRIGO GARCÍA

    O iconoclasta dramaturgo e encenador argentino Rodrigo García apresenta uma criação audiovisual, escrita e produzida à distância durante o período de confinamento. Nada de teatro, mas uma tela verde (chroma key) que dá asas à sua imaginação transbordante e à dos seus excepcionais intérpretes. Angélica Liddell, Denis Lavant, Florencia Vecino, François Chaignaud e Volmir Cordeiro entregam-se de corpo e alma.

    +
  • IWOW: I WALK ON WATER

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge (Lisboa)

    KHALIK ALLAH

    “IWOW” é um filme do marcante fotógrafo e realizador nova-iorquino Khalik Allah, já descrito como realizador de “ópera de rua” e elogiado pelo olhar desarmante que desvela com delicada maestria uma humanidade visceralmente bela.

    +
  • Workshop de cinema – “Camera Ministry”

    28 setembro 2021 — 29 setembro 2021
    Cinema São Jorge

    KHALIK ALLAH

    O cineasta e fotógrafo jamaicano-iraniano Khalik Allah dirige um workshop no qual discute o seu olhar sobre as comunidades negras em ambientes urbanos e a ética de retratar a marginalização no écran de cinema. O workshop investigará as maneiras pelas quais a metodologia distinta de Allah busca resistir aos estereótipos que ainda costumam enquadrar as discussões em torno de raça e marginalidade, em vez de adotarem uma abordagem empática e diferenciada.

    +
  • Brasa

    29 setembro 2021
    Teatro das Figuras

    TIAGO CADETE

    Em “Brasa”, Tiago Cadete prossegue uma das suas linhas de pesquisa teatral, a da interrogação e de olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e Brasil, acompanhado de um elenco de criadores-intérpretes de origens diversas: Isabél Zuaa, Julia Salem, Keli Freitas, Magnum Alexandre Soares, Ana Lobato, Dori Nigro, Gustavo Ciríaco e Raquel André.

    +
  • Water In A Heatwave

    30 setembro 2021 — 10 outubro 2021
    Carpintarias de São Lázaro (Lisboa)

    MILES GREENBERG

    “Water in a Heatwave” é uma nova performance duracional de 4h para oito performers e é o projeto mais desafiante, ao nível de escala e de duração, do artista. Dois a dois, os performers colidem os seus corpos uns contra os outros, no topo de uma série de pedestais, criando tensões variadas no espaço.

    +
  • Anjo Solidão

    30 setembro 2021 — 01 outubro 2021
    Fundação Champalimaud / Anfiteatro ao ar livre

    GABRIEL FERRANDINI

    No momento em que lança "Hair of the Dog", a sua estreia a solo, Gabriel Ferrandini traz ao anfiteatro ao ar livre da Fundação Champalimaud uma performance que traduz precisamente esse estado de abertura a novas experiências artísticas: com o Coro Gulbenkian explora as possibilidades contemporâneas do canto lírico, com as vozes a sucederem-se em loops sucessivos (cânone), suscitando questões de memória, armadilhas e libertação.

    +
  • Música Cigana Camões Yanomami / A Soma dos Seus

    01 outubro 2021
    Fábrica da Cerveja (Faro)

    ANTÓNIO POPPE E LA FAMÍLIA GITANA

    “Música Cigana Camões Yanomani/ A Soma dos Seus” consiste numa performance-espetáculo que combina a poesia de Camões, textos de Davi Kopenawa (dos indígenas Yanomami), com Música Cigana. Este encontro cria uma composição comunicante entre expressões originais.

    +
  • TRÓPICOS MECÂNICOS (MUEDA)

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Lisnave (Cacilhas)

    FELIPE BRAGANÇA EM PARCERIA COM TEATRO GRIOT E CATARINA WALLENSTEIN

    Projeto transmedia, com inspirações no afro-futurismo e no tropicalismo brasileiro. A ficção científica, a fábula e a documentação misturam-se nesta performance visual e teatral em torno das memórias do Massacre de Mueda, ocorrido no Moçambique, em 1960.

    +
  • Um buraco do tamanho do teu toque

    01 outubro 2021 — 03 outubro 2021
    Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado (Lisboa)

    ANDRÉ UERBA

    Através do desaceleramento, da inibição do sentido da visão e de uma aproximação cinética e somática ao corpo e seu movimento, André Uerba e performers exploram diferentes formas de se conhecerem e se sentirem. Corpos que se encontram, coordenam e comunicam de forma não verbal – abrindo um espaço que se entende político.

    +