Portugal | Performance-instalação | Nova criação

 

“O corpo de Vera Mantero, desenhado, instalado, coreografado, visto, vivo, suspenso” – foi assim que Alexandre Melo escreveu sobre a relação entre a escultura de ferro de Rui Chafes e o corpo que a habitava, de Vera Mantero, em 2004, a obra que representou Portugal na 26ª Bienal de Artes Visuais de São Paulo.

“Comer o Coração” consiste numa peça escultórica de ferro suspensa no ar e num corpo vivo que a habita, em vertigem, resultando de uma conceção e criação conjunta entre o escultor Rui Chafes e a coreógrafa e bailarina Vera Mantero. A peça ganhou entretanto novas configurações, tendo evoluido de uma escultura de larga escala para uma dimensão mais pequena, agora suspensa a partir de diversos pontos, como uma teia, reformulando a relação entre corpo ao vivo e corpo inerte, construindo uma nova entidade gerada pela coexistência dos dois.

A convite da BoCA, “Comer o Coração” toma agora uma nova perspetiva e um novo nome, “Comer o Coração em cena”, ao fazer migrar para o palco de um teatro a magnitude de uma obra que teve no museu a sua origem e que já viajou pelo enquadramento expositivo e natural (entre as árvores).

 

Comer o Coração em cena (2019)
Conceito original: Vera Mantero e Rui Chafes
Performance: Vera Mantero
Escultura e Desenho: Rui Chafes
Produção: O Rumo do Fumo

Comer o Coração (2004)
Conceito original: Rui Chafes e Vera Mantero
Comissário: Alexandre Melo
Vídeo: Helena Inverno
Organização e produção: Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura em colaboração com o Centro Cultural de Belém
Produção executiva: O Rumo do Fumo
O Rumo do Fumo é uma estrutura financiada por República Portuguesa – Cultura | Direção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Lisboa

M/12

 

Próximos Eventos

ler mais
  • A Viagem Invertida / Barcelona

    25 outubro 2019
    Caixa Forum / Barcelona

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" é apresentada no contexto da exposição "En Caída Libre", com curadoria de João Laia, em Barcelona. Tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e de Lula Pena, e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • COMO FAZER UMA MÁSCARA / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    PEDRO BARATEIRO

    A performance "Como Fazer uma Máscara" de Pedro Barateiro é um monólogo, acompanhado por um conjunto de imagens projectadas, em que o artista tenta pensar a questão da máscara, através de dispositivos de linguagem e imagem e exemplos que vão da história do teatro ocidental a testes de personalidade.

    ler mais
  • Hard to be a god / Bangkok

    06 dezembro 2019 — 07 dezembro 2019
    Neilson Hays Library / Bangkok

    JOHN ROMÃO & ROMEU RUNA

    Depois da sua estreia mundial no contexto da BoCA 2017, em Lisboa, a performance “Hard to be a god” continua a sua circulação internacional e viaja agora até Bangkok. Os espectadores observam a performance através de uma janela de vidro que separa a ação de seu próprio corpo (protegido), como se fosse uma tela, enquadrando a ação exterior. Uma luta entre a natureza - em todo o seu esplendor - e a tecnologia.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • A Viagem Invertida / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da sua estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" continua em digressão internacional. "A Viagem Invertida" tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e música de Raw Forest.

    ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais