Cecilia Bengolea é uma artista de performance com um interesse particular em antropologias da dança, cujas reflexões são representadas em paradoxas performances, experimentando diversos estilos de dança urbana, como o voguing, o twerk e o dancehall.

Colaborando habitualmente com o François Chaignaud e com artistas visuais como Dominique Gonzalez-Foerster, Jeremy Deller e Damion Wallace, para esta performance a artista colabora com o dj português Nigga Fox, um dos mais reputados produtores da Príncipe, editora responsável pela difusão mundial da batida, música de dança electrónica influenciada pelos ritmos africanos do Kuduru, Tarraxinha ou Kizomba com ritmos ocidentais como o techno ou o House.

A performance “Buss dem head” é concebida como um módulo experimental e nómada, um modo de intervenção todo-o-terreno capaz de invadir as discotecas, a rua, um museu ou uma galeria, fruto de várias idas e voltas de Cecilia Bengolea à Jamaica e de uma relação de longa data com a diversidade das suas expressões coreográficas e musicais.

Esta cultura, nascida nos anos 60 em Kingston, na Jamaica, a partir das mutações do reggae e dos “sistemas de som”, ressoa como um grito de revolta, uma resistência à opressão social das classes mais pobres.

Em “Buss dem head”, Cecilia Bengolea e Damion BG Dancerz exploram a variedade, a complexidade e a virtuosidade destes estilos que transportam pedaços de história (Reggae Old School, Dancehall Gangsta) mas nesta colaboração com Nigga Fox, que reúne na sua música as tradições musicais da diáspora africana através da experimentação eletrónica, é garantida uma explosão de ritmos e de referências que nos vão deixar de rastos.

 

Conceção Cecilia Bengolea
Coreografia e interpretação Cecilia Bengolea, Damion Wallace
DJ Nigga Fox
Produção Vlovajob Pru
Co-produção BoCA
Apoios Delta Q, Lux/Frágil
Apoio à apresentação Institut Français / Embaixada de França – Apoio no âmbito do foco sobre a criação contemporânea francesa em 2017

 

Biografias

 

Próximos Eventos

ler mais
  • Os Animais e o Dinheiro

    26 março 2019
    Teatro da Trindade, Lisboa

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    “Laboratório de Formas de Sentir Acima da Média” - é esta é a proposta de Gonçalo M. Tavares & Os Espacialistas para a BoCA 2019. São três performances inéditas apresentadas em salas de teatro a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • BIBLIOTECA

    27 março 2019 — 30 abril 2019
    Estufa Fria, Lisboa

    HORÁCIO FRUTUOSO

    Horáco Frutuoso recorre, no seu trabalho, a diferentes meios, estruturando a sua prática a partir do pensamento e organização de uma pintura. Cruza com a poesia visual, imagens digitais e a instalação-performance.
    No contexto da BoCA, foi-lhe proposto criar uma obra nova, tendo como base o vídeo "A Experiência do Lugar II" de Helena Almeida. Esta é a primeira obra que Horácio Frutuoso cria para o espaço exterior.

    ler mais
  • MASTERCLASS “TRANSOBJESTOS”

    28 março 2019
    Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

    OS ESPACIALISTAS

    Na segunda edição da BoCA, Os Espacialistas vão colaborar com o escritor Gonçalo M. Tavares na criação e apresentação de três conferências-performances inéditas a serem apresentadas nas três cidades oficiais da BoCA 2019 - Lisboa, Porto e Braga - sob o título "Os Animais e o Dinheiro". Dois dias antes da apresentação no Teatro Municipal do Porto - Rivoli, Os Espacialistas dão a sua primeira masterclass na FBAUP.

    ler mais
  • ROSA. ESPINHO. DUREZA.

    29 março 2019 — 30 março 2019
    Teatro Municipal do Porto - Rivoli, Porto

    GABRIEL FERRANDINI

    A convite da BoCA, o baterista Gabriel Ferrandini concebe a sua primeira criação de palco, partilhando-o com o ator Frederico Barata. "Rosa. Espinho. Dureza." é constituído por três atos: trabalho, sexo, amor. Como um tríptico, em que os conceitos e materiais estão inter-ligados, cada ato terá uma ação e um objeto para representar o respetivo "problema", que serão repetidos exaustivamente, testando a persistência e concentração dos intérpretes e desafiando o público.

    ler mais
  • BEYONCÉ MASS

    29 março 2019 — 30 março 2019
    Igreja do Convento dos Inglesinhos, Lisboa

    BEYONCÉ MASS

    "Beyoncé Mass" é uma celebração de adoração feminina que usa a música e a vida pessoal de Beyoncé como uma ferramenta que promove um discurso de empoderamento sobre os marginalizados e esquecidos, particularmente as mulheres negras - as suas vidas, os seus corpos e as suas vozes. Com Yolanda Norton, Assistente do Antigo Testamento no Seminário Teológico de São Francisco, e a participação do Coro Gospel de Lisboa.

    ler mais
  • SÃO SIMEÃO DA MONTANHA ADMIRÁVEL

    29 março 2019 — 30 abril 2019
    Convento de São Pedro de Alcântara, Lisboa

    PROJECTO TEATRAL

    O coletivo Projecto Teatral é, presentemente, constituído por João Rodrigues, Maria Duarte, Helena Tavares, André Maranha e Gonçalo Ferreira de Almeida. Nesta edição da BoCA apresentam uma nova criação, "São Simeão da Montanha Admirável", projetada para a igreja do Convento de São Pedro de Alcântara, no coração da cidade de Lisboa.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO

    30 março 2019
    Teatro Municipal do Porto - Rivoli, Porto

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    “Laboratório de Formas de Sentir Acima da Média” - é esta é a proposta de Gonçalo M. Tavares & Os Espacialistas para a BoCA 2019. São três performances inéditas apresentadas em salas de teatro a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • (DES)DOBRAS

    30 março 2019 — 04 abril 2019
    Casa dos Crivos, Braga

    ADOLFO LUXÚRIA CANIBAL

    Adolfo Luxúria Cabinal, conhecido sobretudo pelo seu trabalho enquanto músico e vocalista dos Mão Morta, apresenta na BoCA uma performance e instalação, com elementos plásticos diversos, música, vídeo e o lançamento de um livro.

    ler mais
  • INMUNE & YOLANDA NORTON

    31 março 2019
    Carpintarias de São Lázaro, Lisboa

    ENCONTRO COM INMUNE & YOLANDA NORTON

    Feminismo negro. Uma conversa com Yolanda Norton, pastora e Professora Assistente do Antigo Testamento no Seminário Teológico de São Francisco, que criou o projeto "Beyoncé Mass", e as responsáveis do INMUNE - Instituto da Mulher Negra em Portugal.

    ler mais
  • ARCA Talk

    31 março 2019
    Carpintarias de São Lázaro, Lisboa

    ARCA

    Arca é o pseudónimo da artista metamórfica venezuelana Alejandra Ghersi, cantora, DJ, performer e compositora de música experimental, visionária de um novo mundo onde a vulnerabilidade é fonte poderosa de energia explosiva. Em um acontecimento único, a BoCA organiza um encontro com Arca, que compartilhará o seu trabalho que desafia o pensamento e discutirá as interseções entre criação artística, música e performance.

    ler mais
  • CONGO TRIBUNAL

    01 abril 2019 — 03 abril 2019
    Cinema Ideal, Lisboa

    MILO RAU

    A guerra no Congo causou mais de 6 milhões de mortes nos últimos 20 anos. No filme "Congo Tribunal", o artista suíço Milo Rua reúne vítimas, perpetradores, testemunhas e analistas do conflito para um inédito tribunal civil no leste do Congo. Milo Rau cria um retrato, sem filtros, de uma das maiores e mais sangrentas guerras económicas da história da humanidade.

    ler mais
  • NARCISO

    02 abril 2019 — 30 abril 2019
    Complexo dos Coruchéus / Galerias Municipais EGEAC, Lisboa

    TANIA BRUGUERA

    Depois da sua primeira passagem por Portugal, na BoCA 2017, a artivista cubana Tania Bruguera apresenta o seu trabalho pela primeira vez em Lisboa, através de uma nova instalação para o espaço público. "Narciso" evoca, no seguimento da sua recente intervenção na Tate Modern, a crise da migração e dos refugiados mas, aqui, Tania Bruguera condensa esse movimento numa crise individual, centrada no corpo e na identidade de cada espetador.

    ler mais