Polónia/França | Espetáculo

 

Loïe Fuller (1862-1928) foi uma artista de performance antes mesmo do termo ter sido inventado: inovadora e impossível de categorizar. Ficou reconhecido através dos seus solos, em que girava em círculos, colocando metros de tecido de seda em volta do seu corpo. Ela encaixa-se no movimento art nouveau, mas também se divertia a dançar em casa, na sala Folies Bergère, em Paris. Por ser a primeira pessoa a fazer uso da luz elétrica e a posicionar o movimento fora do corpo, ela foi uma força inovadora nos mundos da dança e do teatro. Colaborou com figuras como Auguste Rodin e os Irmãos Lumière.

Nesta peça para três intérpretes femininas, Ola Maciejewska inspira-se na “Dança Serpentina” de Fuller. Ola explora a relação nas artes entre seres humanos e matéria física, criando movimento em grandes pedaços de tecido. Ela brinca com a confluência de corpos e objetos e a batalha que estes empreendem. “Bombyx Mori” alude ao bicho de seda, que se tornou inteiramente dependente dos seres humanos para sobreviver. Aqui, o corpo natural e o processo artificial estão inextricavelmente ligados: uma metáfora pungente para uma interpretação escultural, explorando a relação entre o corpo e o artefato, de forma alucinada e em constante vertigem, onde é revelada a natureza híbrida das coisas.

Cascatas de tecido preto ondulam pelo palco, formando redemoinhos de curta duração, asas e criaturas míticas que desfilam exuberantemente à frente dos nossos olhos, numa constante metamorfose das imagens. Ola Maciejewsa, artista polaca apresentada pela primeira vez em Lisboa, revela em “Bombyx Mori” uma hibridez sublime entre corpo e objeto, entre atividade e passividade, entre humanos e não-humanos.

 

Concepção Ola Maciejewska
Desenvolvimento e interpretação Amaranta Velarde Gonzalez, Maciek Sado, Ola Maciejewska
Criação sonora Alberto Novello
Criação de luz e direção técnica Rima Ben Brahim
Criação de figurino Valentine Solé
Produção Élodie Perrin
Agradecimento ao Thomas Laigle pela ajuda da concepção sonora e de luz
Apoio Hermès Foundation, no contexto do programa New Settings
Co-produção Ménagerie de verre – Paris (FR), LE CN D un centre d’art pour la danse (FR), Productiehuis Rotterdam (NL), Veem House for Performance (NL), Centre chorégraphique national de Caen en Normandie no contexto do programa «Artiste associé» | com o gentil apoio de Vivarium Studio, Nanterre-Amandiers – Centre Dramatique National
Agradecimentos ICK Amsterdam, Judith Schoneveld, Nienke Scholts

Apoios à apresentação
Embaixada de França em Portugal / Instituto Francês
Embaixada da Polónia

Ola Maciejewska dirige um workshop de curta duração a 11 ABR, na mala voadora (Porto), no contexto da BoCA.

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Patrícia Portela

    27 junho 2021
    Palácio do Marquês de Alegrete

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Patrícia Portela (encenadora, escritora)
    Livro escolhido: "As barbas do diabo" Julio Cortázar
    Espaço verde: Palácio do Marquês de Alegrete

    ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Hugo van der Ding

    27 junho 2021
    Casa da Cerca

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto da BoCA que relaciona literatura com os espaços verdes. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidado: Hugo van der Ding (Cartoonista, Cronista)
    Livro escolhido: "Platero e Eu" de Juan Ramón Jiménez
    Espaço verde: Jardim da Casa da Cerca, Almada

    ler mais
  • Na direção da luz

    01 julho 2021 — 31 julho 2021
    Teatro Camões

    HORÁCIO FRUTUOSO

    “Na direção da Luz” é uma intervenção site-specific do artista Horácio Frutuoso para o foyer do Teatro Camões (CNB), dinamizada pela BoCA. Um conjunto de poemas visuais sugerem uma ideia de movimento, de transformação das palavras e do espaço onde estão instalados pela luz.

    1 a 31 Julho 2021

    ler mais